O número de pessoas mortas na Inquisição Espanhola - [Inédito]

Inquisição
Typography

Mapa 1. Distritos onde houveram tribunais da Inquisição Espanhola. 1570–1820 d.C

INTRODUÇÃO


O presente trabalho – inédito em português – que nosso site traz para os leitores de língua portuguesa, é um esplendido estudo baseado nas pesquisas do Prof. Jaime Contreras, Gustav Henningsen, Henry Kamen e John Tedeschi, que se debruçaram sobre a vasta documentação dos tribunais inquisitoriais espanhóis, sobre o número de pessoas mortas na Inquisição Espanhola (tida como a mais “perversa de todas”) durante 320 anos de atuação.
Longe da mente fantasiosa dos inimigos da Igreja, estes especialistas vasculharam toda a vasta documentação disponível da época da Inquisição na Espanha, todos os processos, casos e autos de fé e chegaram ao número aproximado de pessoas condenadas, executadas de fato que chamamos de In persona e as que foram queimadas em efigies (Isto é, em bonecos. Faziam um boneco das pessoas e queimavam como símbolo da heresia) nesse tribunal. Por fim, chegamos ao número médio de 130.000 à 150.000 julgamentos, e 6 mil (podendo ser muito menos, ou um pouco mais) execuções reais in persona, ou seja, 4% a 6% das pessoas julgadas em 320 anos de existência. Para fazer um comparativo, a Escócia calvinista matou 4 mil bruxas em apenas 90 anos.

OS NÚMEROS


O primeiro que tentou calcular o número de execuções da Inquisição espanhola foi Juan Antonio Llorente. Ele propôs os seguintes números: 31.912 execuções in persona, 17,659 em bonecos e 291,450 penitências entre 1481 e 1808 d.C por toda a Espanha, mas excluindo os tribunais na America e na Itália [Llorente, IV: 242-273]. Durante o século 19, alguns historiadores aceitaram ou ligeiramente modificaram esses números, mas muitos criticaram. Pio Bonifatius Gams OFM estimou 2.000 execuções por heresia entre 1481 e 1504 d.C, e depois outras 2.000 para o período até 1758 d.C. Henry Charles Lea [historiador protestante], escreveu em 1906 d.C, e criticou severamente as estatísticas de Llorente como arbitrárias e exageradas, mas sentiu-se incapaz de propor o seu próprio número, devido à incompletude dos arquivos inquisitoriais, especialmente para o primeiro século da Inquisição. Ele só expressou a esperança de que “pesquisas de futuros estudantes, sem dúvida, em tempo compilarão estatísticas razoavelmente completas para o segundo e terceiro séculos de Inquisição, após a Suprema que obrigava os tribunais a processar relatórios periódicos” [Lea, IV: 523-524].
As esperanças de Lea foram realizadas em 1970 por Gustav Henningsen e Jaime Contreras. Eles basearam suas pesquisas nas relaciones de Causas (relatórios anuais para a Suprema) e publicaram as seguintes estatísticas para o período 1540-1700: 44.674 processos formais registrados, com 1.604 penas de morte, sendo elas 826 execuções reais e 778 em bonecos [efigies]. Estes números têm sido amplamente citados na literatura e formaram um ponto de partida para algumas estimativas modernas do número total de vítimas da Inquisição espanhola. No entanto, eles são muitas vezes erroneamente apresentados como estatísticas completas para o período de 1540 a 1700 d.C, embora os próprios autores notaram várias lacunas na série de relaciones de Causas. Contreras em seu estudo sobre o tribunal de Galiza sugeriu 69.000 julgamentos [Contreras 1982: 449], enquanto Henningsen em uma revisão posterior das estatísticas iniciais, calculou em torno de 87.269 julgamentos neste período.

Algumas estimativas modernas do número total de vítimas da Inquisição espanhola foram resumidas por Andrea Del Col em Dizionario Storico dell'Inquisizione, vol. III, p. 1699:

* Ricardo Garcia Carcel estimou entre 120.000 a 150.000 julgamentos com taxa de 3,5% de execuções (isto é 4.200-5.250 mortes);

* Jean Pierre Dedieu estimou 200.000 julgamentos, 1/3 deles antes de 1530, com não mais do que 10.000 execuções, 4/5 deles nos primeiros 30 anos (1480-1510) [Dedieu, 1987: 85]

* Joseph Perez estimou 125.000 julgamentos com menos de 10.000 execuções [Joseph Perez, A Inquisição espanhola. A História, Universidade de Yale - 2006: 173].

O próprio Del Col aceitou a estimativa de Dedieu no diz respeito ao número de julgamentos (200.000, incluindo 70.000 antes de 1530 d.C, ele também aceitou o cálculo Henningsens de 87.269 julgamentos em 1540-1700 d.C), mas acredita que o número de execuções foi maior. Ele assumiu a taxa de 15% de execuções reais antes de 1530 d.C e aceitou 1,8% de taxa de execuções para o período 1540-1700 d.C. Isto significaria 10.500 execuções no primeiro período e 1.600 no segundo período, elevando o total para 12.100. No entanto, o cálculo do Del Col parece ignorar bem mais de uma centena de execuções que ocorreram após 1700 d.C, também é desconhecido e difícil estimar o número de execuções em 1530.

Alguns historiadores limitaram suas estimativas apenas às execuções, sem estimar o número de julgamentos:

* Jaime Contreras no documentário da BBC O mito da Inquisição espanhola (1994) deu o número entre 3.000 e 5.000 execuções;

* William Monter em Frontiers of Heresy. The Spanish Inquisition from the Basque Land to Sicily propôs um número ainda menor: 2.750, incluindo 1.500 até 1530, 1.000 entre 1530 e 1630 e 250 entre 1630 e 1730. No entanto, em um artigo posterior Monter elevou a estimativa do ultimo período para cerca de 2.000 [cf. Monter 2008: 266].

Pode-se acrescentar também as estimativas restritas aos primeiros 50 anos de atividade da Inquisição espanhola (citado de David Martin Gitlitz, Secrecy and Deceit: The Religion of the Crypto-Jews, p 75).. Caro Baroja estimou 50.000 julgamentos, enquanto Dominguez Ortiz - 25.000 julgamentos. William Monter estimou 50.000 julgamentos com 2.000 execuções reais e 2.000 condenadas à morte em bonecos [Monter 2008: 266]. Henry Kamen estimou 2.000 execuções em toda a Espanha entre 1480-1530 e muitos mais condenações em bonecos [Kamen: 62]. Estes são substancialmente mais baixos do que os números de 70.000 julgamentos e entre 8.000 e 10.500 execuções reais propostos por Dedieu e Del Col.

Para avaliar estas várias estimativas, temos que começar com a coleta de todas as estatísticas disponíveis e todas as informações disponíveis sobre as execuções. Para efeitos desta revisão, a história da Inquisição espanhola pode ser dividida em três períodos:

* Fase inicial (1480-1530 d.C)

* Período de relaciones de Causas (1540-1700 d.C)

* A fase final (1701-1820), subdivididos em períodos de 1701-1746 e 1746-1820 d.C.

A FASE INICIAL (1480-1530)


A fase inicial é mais difícil de estimar. A maioria dos registros de julgamentos estão perdidos e maioria das estatísticas disponíveis baseiam-se nas contas dos autos-de-fé. Embora para alguns tribunais (por exemplo Saragoça, Toledo, Barcelona) temos coleções sobre tais acontecimentos, para alguns outros, há apenas fragmentos ou mesmo nenhum documento.

O REINO DE CASTELA

Sevilha - De acordo com relatos contemporâneos, várias centenas de conversos foram queimados e vários milhares sentenciado a penitências. Bernaldez dá o número de mais de 600 queimados e 5.000 sentenciados a penitências até 1488, a declaração do estatuto de limpieza de sangre do capítulo da catedral de Sevilha, de 1515, dá o número de 600 queimados e mais de 6.000 penitentes nos anos 1481-1515, o escrito anônimo datado de 1524 dá o número de 1.000 queimados e 20.000 penitentes, enquanto Geronimo Zurita - mais de 4.000 queimados e mais de 30.000 penitentes até 1524. Estes primeiros relatos foram parcialmente verificados por historiadores modernos como Klaus Wagner e Beatriz Perez. O último historiador concluiu que, entre 1481 e 1524 a Inquisição de Sevilha pronunciou 4.924 condenações. Entre eles, houveram 659 penas de morte, incluindo 613 contra as pessoas vivas e 46 emitidas post mortem. Klaus Wagner, baseando-se nas contas de autos-de-fé, concluiu que apenas 248 foram realmente executados até 1524. [Béatrice Pérez, Inquisição, pouvoir, société. La província de Séville et ses judaico-convers sous les Rois Catholiques, Paris, Champion de 2007; Wagner 1981].

Sabemos, também, que, nos anos 1494-1496 d.C, 6.204 pessoas foram perdoadas em toda a Arquidiocese de Sevilha, no entanto, deve ser lembrado que entre eles não eram apenas os réus, mas também os herdeiros dos conversos queimados ou dos penitentes mortos e aqueles que tinham sido reconciliados sob Editos de graça e não submetidos a julgamentos formais [Martz: 66].

Cordoba - Existem fontes fragmentadas referentes à atividade da Inquisição entre 1483 e 1516. Sabemos que cerca de 264 execuções in persona, 24 execuções em bonecos, 14 outras sentenças e pelo menos 10 conciliações nos Editos de da graça. No entanto, em 1497 por volta de 1.519 conversos sofreram comutações das penitências anteriores, embora este número inclui também os herdeiros do falecido, bem como aqueles reconciliados sob Editais de Graça [Cuadro García; Martz: 66].

Ciudad Real e Toledo - Segundo o historiador do século 16 Luis Paramo, a Inquisição em Ciudad Real entre 1483 e 1485 condenou à morte 272 pessoas, incluindo 52 condenações in persona e 220 em bonecos, além de 183 reconciliações sob Edito de graça. O contexto sugere que estes números referem-se aos anos 1483-85, quando Ciudad Real foi a principal sede do tribunal para a Arquidiocese de Toledo. Não existe uma lista alfabética das pessoas condenadas pela Inquisição em Ciudad Real entre 1483 e 1535, que confirmam 39 liberações de execuções in persona e 119 em bonecos durante este período, embora talvez incompleto, pois inclui, aparentemente, apenas os moradores da cidade. No entanto, a mesma lista inclui pelo menos 48 queimados em Ciudad Real (33 in persona e 15 em boneco) durante visitas de inquisidores de Toledo entre 1485 e 1535, bem como 39 queimadas (20 in persona e 19 em boneco) em uma data desconhecida entre 1484 e 1535. [cf. Fita 1892; Delgado Merchán]

Depois de mover a principal sede do tribunal de Ciudad Real para Toledo, que reconciliou pelo menos 5.200 pessoas com menos de Editais de graça entre 1485 e 1487. A conta de autos-de-fé celebrada nessa cidade entre 1486 e 1501 registrou 247 execuções in persona, bem mais de 500 execuções no effigie e, provavelmente, mais de 200 condenações à prisão. [Fita 1887; Martz: 63-64]

Somando-se estes números, gostaríamos de alcançar o número de pelo menos 339 execuções in persona e talvez 800 em bonecos, mas ele deve ser considerado como estimativa mínima. De acordo com Jean Pierre Dedieu, este tribunal entre 1483 e 1530 realizou 2.874 julgamentos formais. [Dedieu 1992: 242]

Jaen - O arquivo deste tribunal está totalmente perdido. No entanto, sabemos que, no subdistrito de Ubeda 256 pessoas foram reconciliadas e 53 queimadas. Sabemos também sobre uma execução de boneco em 1488. Entre 1503 e 1508, mais de 200 pessoas foram presas e algumas delas foram queimadas. Pelo menos uma queima adicional ocorreu em 1510. Há também relatos de grande número de condenações post mortem neste distrito, mas os números exatos permanecem desconhecidos [Luis Tejada Coronas, Judios y Judios conversos en el reino de Jaén, Jaén 2003: 95; Roth: 240]

Cuenca - 1.769 pessoas foram investigadas antes de 1540 [cf. Henningsen 1993: 68]. Houveram 376 julgamentos formais entre 1489-1500 e 748 entre 1509-1530. No primeiro período, 127 pessoas foram queimados in persona e apenas 2 em bonecos. No último período, os números foram de 96 e 5, respectivamente, perfazendo um total de 223 execuções in persona e apenas 7 em bonecos [Salomon: 115 n. 12; cf. Barnes: 152-153]

Avila - Durante dez anos da sua atividade (1490-1500) este tribunal queimou in persona 66 réus, queimou em bonecos outras 37 (incluindo 36 mortos e 1 ausente) e reconciliou 82 pessoas [Fita 1889: 332-346].

Salamanca - Fontes contemporâneas mencionam apenas uma execução in persona em 1488 e várias condenações a penitências em 1490 [Roth: 249]

Segovia - Sabemos de pelo menos uma execução in persona em 1490 [Roth: 248-249]

Burgos - Havia algumas execuções de conversos em 1493, mas o seu número não é conhecido [Roth: 244]

Murcia – O Catálogo de julgamentos deste tribunal preparado por Juan Blazquez Miguel menciona apenas onze julgamentos antes de 1540, incluindo uma execução in persona, nove em bonecos e uma condenação a uma multa. Sem dúvida, este catálogo é dramaticamente incompleto [Blazquez Miguel 1987]

Siguenza - Mais de 250 conversos foram julgados por este tribunal no início dos anos 1490s. [DSI: 1425] Há também um relatório de Llorente sobre um enorme auto de fé em 1494, com cento e quarenta e nove execuções em pessoa [cf. Lea, I: 552-553]

Osma - Livro das denúncias deste tribunal de vida curta (1486-1491) foi parcialmente preservado. 318 conversos foram denunciados durante os períodos de graça. Sabemos que houve algumas execuções em Aranda, alegadamente com base em falsos testemunhos, mas seu número não é conhecido [John Edwards, Religious Faith and Doubt in Late Medieval Spain: Soria circa 1450-1500 in: Past and Present, No. 120., Aug. 1988, 3-25].

Diocese de Calahorra - De acordo com o relato de Llorente este tribunal queimou cerca de trinta bruxas em 1507. Pesquisas mais recentes estabeleceram, que, provavelmente, apenas onze bruxas foram queimadas, outros sete foram queimadas em bonecos e seis foram reconciliadoas em 1507-1508 [Iñaki BAZÁN DÍAZ, Superstición y brujería en el Duranguesado a fines de la Edad Media: ¿Amboto 1507?, Clio & Crimen, no. 8 (2011): 191-224]. Sabemos também da execução de um Inglês protestante em Bilbao em 1539 [Monter 1990: 146].

Valladolid - Há um relato contemporâneo do primeiro auto de fé, que teve lugar em 1489. Dezoito conversos foram queimadas in persona enquanto quatro outros foram queimados em bonecos. O, muitas vezes atribuída à Inquisição de Valladolid, auto-de-fé de 5 de janeiro de 1492 foi na verdade celebrado pela Inquisição de Córdoba [ver Cronicón de Valladolid, ed. Pedro Sáinz de Baranda, Imp. de la Viuda de Calero 1848: 179-180, 187].

Canários - até 1540, oito pessoas foram queimadas in persona e dez outros em bonecos, dos 330 julgamentos [Lea SD: 155 n. 2-3]

Distrito de Estremadura – O tribunal para este distrito foi inicialmente itinerário e conduziu investigações em locais muito diferentes. Em Guadalupe (1485) 53 pessoas foram queimadas em pessoa, 71 foram queimadas em bonecos, 16 pessoas foram condenadas a penas de prisão e pelo menos oito foram condenados a outras penitências [Fita 1893; cf. Dedieu em Bennassar: 34]. Em Belalcázar (1486) 323 pessoas foram reconciliadas sob Editos de graça, enquanto 110 foram submetidos a julgamentos formais. 31 pessoas foram queimadas em pessoa, 76 em bonecos e 3 foram apenadas [Dedieu em Bennassar: 34]. No auto de fé celebrado em Ciudad Rodrigo, em 1491, pelo menos três pessoas foram queimadas in persona, seis em bonecos e pelo menos três foram reconciliadas. Em Fregenal (1491-1511) 360 pessoas foram reconciliadas, 26 queimadas in persona e 169 queimado em bonecos (incluindo 161 mortos e 8 ausências) [Mayorga de 2007]. Finalmente, na diocese de Badajoz 28 pessoas foram queimadas in persona, 87 em bonecos e 50 condenadas a penitências antes de 1540 [Kurtz]. Isto traz o total de 141 queimadas em pessoa, 409 queimadas em bonecos e mais de 755 reconciliações e condenações a várias penitências, mas esses números certamente representam apenas uma parte da atividade deste tribunal.

REINO DE ARAGÃO

Saragoça - 130 execuções in persona e 116 em bonecos até 1530 d.C [Monter 1990: 15, 21]. Pelo menos quatro execuções adicionais in persona aconteceram em 1530 d.C

Valencia - De acordo com a pesquisa mais recente, houve 3059 julgamentos antes de 1530 d.C e 450 em 1530 d.C. 1.128 deles terminaram com sentenças de morte até 1530. Pelo menos 323 destas sentenças foram realmente executadas, enquanto 555 foram condenações em bonecos. Para o resto (250 sentenças), não temos nenhuma informação específica; no entanto, há boas razões para acreditar que todos (ou quase todos) deles eram as execuções in persona. Além disso, pelo menos 73 execuções in persona e 7 em bonecos ocorreram entre 1531 e 1539, o que daria um total de 646 execuções in persona e 562 em bonecos [Barnes: passim; cf. Haliczer: 86-87; Lea, III: 562].

Teruel e Tortosa - Um total de 21 execuções in persona e 72 em bonecos, com pelo menos 20 condenações a penitências [Monter 1990: 15]

Lerida - 2 pessoas foram queimadas em 1492 [Carbonell: 140]

Barcelona - Este tribunal celebrou numerosos autos-de-fé entre 1487 e 1507, em Barcelona, Tarragona, Girona, Perpignan e Balaguer, queimaram in persona 50 pessoas, em bonecos 661 pessoas e condenou à prisão ou menores penitências 573 pessoas. Não são registrados também quatro declarações de inocência e em um caso de um suspeito que morreu na prisão; um total de 1.291 processos [Carbonell]. Um julgamento é registrado para o ano de 1531 (sentença desconhecida ver Blazquez Miguel 1990: 83), e 49 penitentes apareceram em 1539 [Blazquez Miguel 1990].

Mallorca - De acordo com William Monter, 80 execuções in persona e 446 em bonecos ocorreram até 1530 d.C [Monter 1990: 15, 21]. Na década de 1530, mais sete réus (dois conversos e cinco moriscos) foram queimados in persona e treze em binecos (nove conversos e quatro moriscos). 247 pessoas foram condenadas à penitências. Além disso, 559 conversos foram reconciliados sob Edito de graça a partir de 1488 até 1491d.C.

Sicília - 207 execuções in persona e 257 em bonecos ocorreram antes de 1540 d.C [Andrea Del Col, Inquisizione em Italia dal XII al XXI secolo, Milano 2006: 243; cf. Monter 1990: 39].

O PERÍODO DAS RELACIONES DE CAUSAS (1540-1700)


O melhor período documentado é o período entre 1540 e 1700 d.C devido à série bem preservada de relaciones de Causas, relatórios anuais sobre a julgamentos completos enviados à Suprema pelos inquisidores locais. Os números resultantes destes relatórios foram apresentados inicialmente por Jaime Contreras e Gustav Henningsen em 1986 d.C, com 44.674 julgamentos, 826 execuções in persona e 778 execuções em bonecos.

Estatísticas de julgamentos e execuções no relaciones de causa para o período 1540-1700 de acordo com o cálculo de 1986 [Contreras-Henningsen]:

Tribunal

Número de Julgamentos reportados in relaciones de causas [Contreras-Henningsen]

Execuções in persona [Contreras-Henningsen]

Execuções em bonecos [Contreras-Henningsen]

Barcelona

3.047

37

27

Navarra

4.296

85

59

Mallorca

1.260

37

25

Sardenha

767

8

2

Saragoça

5.967

200

19

Sicília

3.188

25

25

Valencia

4.540

78

75

Cartagena de Indias

699

3

1

Lima

1.176

30

16

Mexico

950

17

42

Subtotal (Aragão)

25.890

520

291

Canaries

695

1

78

Córdoba

883

8

26

Cuenca

0

0

0

Galicia

2.203

19

44

Granada

4.157

33

102

Llerena

2.851

47

89

Murcia

1.735

56

20

Sevilha

1.962

96

67

Toledo

3.740

40

53

Valladolid

558

6

8

Subtotal (Castela)

18.784

306

487

Total

44.674

826

778

Sete anos mais tarde, no entanto, Gustav Henningsen reviu parcialmente estes números, excluindo os casos resolvidos em processo sumário e adicionando algumas novas descobertas. Ele também terminou no ano 1699, embora houvesse algumas relaciones as Causas também no início de 1700 (estatísticas iniciais de Contreras e Henningsen incluiu também o ano 1700). O número alcançado de julgamentos foi ligeiramente superior, ascendendo a 45,003. Ele também tentou estimar o número total real de julgamentos durante este período, preenchendo as lacunas na série de relaciones de Causas com o mesmo número anual de julgamentos como para os anos com relatórios conservados e alcançou o número de 87.269 julgamentos. No entanto, ele não fez nenhuma revisão sobre o número de sentenças de morte.

Estatísticas para o período 1540-1699 d.C no recálculo de 1993 [Henningsen 1993]:

Tribunal

Número de anos com relaciones de Causas preservados para o período 1540-1699 / número de anos de atividade (%) [Henningsen 1993]

Número de julgamentos relatados nas relaciones de Causas [Contreras-Henningsen]

Número de julgamentos relatados nas relaciones de Causas [Henningsen 1993]

Cálculo do número total de julgamentos [Henningsen 1993]

Barcelona

94/160 (58,75%)

3.047

2.945

5.013

Navarre

130/160 (81,25%)

4.296

4.234

5.211

Mallorca

96/160 (60%)

1.260

1.260

2.100

Sardinia

49/160 (30,62%)

767

820

2.677

Saragoça

126/160 (78,75%)

5.967

6.015

7.638

Sicília

101/160 (63,12%)

3.188

4.057

6.426

Valencia

128/160 (80,62%)

4.540

4.529

5.661

Cartagena de Indias

62/90 (68,89%)

699

706

1.125

Lima

92/130 (70,77%)

1.176

1.574

2.224

Mexico

52/130 (40%)

950

956

2.390

Subtotal (Aragão)

930/1.470 (62,27%)

25.890

27.096

40.465

Canaries

66/160 (41,25%)

695

646

1.566

Cordoba

28/160 (17,5%)

883

884

5.051

Cuenca

0/160 (0%)

0

0

4.696

Galicia

83/140 (59,29%)

2.203

1.573

2.577

Granada

79/160 (49,38%)

4.157

4.009

8.119

Llerena

84/160 (52,5%)

2.851

2.758

5.253

Murcia

66/160 (41,25%)

1.735

1.791

4.341

Seville

47/160 (29,38%)

1.962

1.969

6.702

Toledo

108/160 (67,5%)

3.740

3.740

5.541

Valladolid

29/160 (18,12%)

558

537

2.962

Subtotal (Castela)

590/1.580 (37,34%)

18.784

17.907

46.809

Total

1.520/3.050 (49,84%)

44.674

45.003

87.269

O cálculo de Henningsens de 87.269 julgamentos para estes vinte tribunais podem ser talvez um pouco reduzido, pois ele não ter em conta algumas interrupções na atividade dos tribunais em Barcelona (1640-1653) ou na Galiza (1567-1574). Por outro lado, o tribunal da Corte em Madrid não forneceu relaciones de causa; embora procedeu apenas contra quinhentos réus no século 17 [cf. Blazquez Miguel 1994]. No entanto, mesmo com estas pequenas correções é razoável supor entre 85.000-90.000 julgamentos no período de 1540-1700. Assumindo a mesma percentagem da execução para este valor ajustado (1,8%), houve 1.600 execuções reais e um número quase igual de bonecos.

Coletando todas as informações disponíveis sobre as execuções in persona durante os anos de 1540-1700, podemos apresentar os seguintes resultados para os respectivos tribunais:

• Barcelona - 53 execuções in persona estão documentadas para todo este período, e tudo ocorreu antes de 1640 [Monter 1990: 326-327]

• Navarra - 90 execuções in persona ocorreu no período em questão, mas a documentação de autos de fé de 1562 não está disponível [Monter 1990: 326-327]

• Mallorca - Um Judaizante foi queimado em 1675 [Monter 1990: 309]. No grande auto-de-fé de 1691 d.C, 37 Chuetas foram queimados, além daqueles queimado em bonecos [Monter 1990: 309, 327]

• Sardenha - Contreras e Henningsen relataram oito execuções entre 1572 e 1614. No entanto, sabemos que mais de treze pessoas foram queimadas em 1566 [http://www.contusu.it/lavvento-dellinquisizione-in-sardegna]

• Saragoça - Houve 250 execuções in persona no período em questão, mas as sentenças emitidas em um auto de fé celebrado em 1562 d.C não são conhecidas [Monter 1990: 326-327]

• Sicília - Este tribunal executou 52 pessoas entre 1540 e 1700 [Monter 1990: 326-327]

• Valencia - Pelo menos 93 réus foram executados por este tribunal durante este período, mas a documentação de um auto-de-fé de 1554 só é fragmentada enquanto que a dos outros quatro celebrado entre 1540 e 1560 estão inteiramente perdidos [Monter 1990: 326-327] . Mais três réus foram condenados pelo tribunal de Valencia, mas suas execuções aconteceram em Madrid em 1680.

• Cartagena de Indias - Pesquisas mais recentes de Juan Blazquez Miguel ligeiramente corrigem os dados fornecidos por Contreras e Henningsen e estabelecem, que, das quatro penas de morte relatadas nas Relaciones de Causas, duas foram in persona e dois em bonecos (não três e um, respectivamente ). [Juan Blazquez Miguel, La Inquisición en América: 1569-1820, Corribio 1994: 280]

• Lima - 31 execuções aconteceram entre 1570 e 1700 [http://www4.congreso.gob.pe/museo/resena_historica_peru.html]

• México - As execuções in persona no período em questão aconteceram em 1574 d.C (2 executados), 1575 (1), 1578 (2), 1579 (1), 1590 (1), 1596 (9), 1601 (4) , 1603 (1), 1606 (1), 1635 (1), 1639 (1), 1648 (1), 1649 (13), 1659 (7), 1679 (1) e 1699 (1), um total de 47 execuções até 1700 d.C [cf. Lea SD: 204N].

• Canárias - O Arquivo bem preservado deste tribunal confirmam três execuções in persona após 1540 d.C, dois a mais do que o relatado na Relaciones de Causas [Lea SD: 155 n. 2-3]

• Cordoba - Sabemos de uma execução ocorreu em 1567 d.C [Schäfer, II: 41-42], mais treze pessoas foram queimadas em 1570-1625 d.C [Monter 1990: 48-49], cinco em 1627 d.C, mais cinco em 1655 d.C [Kamen : 266] e três em 1665 1665 [Miriam Bodian, Dying in the law of Moses, Indiana Univ. Press 2007: 219]; um total de 27 execuções confirmadas in persona

• Cuenca - Cinco pessoas foram queimadas a partir de 1553 até 1561 d.C [Monter 1990: 37-38 n. 22, 233], dezenove entre 1570 e 1625 d.C [Monter 1990: 48-49] e dez no auto de fé em 1654 d.C [Graetz: 91]; um total de 34 execuções.

Nota: As Relaciones de Causas para este tribunal estão inteiramente perdidas, mas o seu próprio arquivo foi preservado e os processos documentados contra 5,203 pessoas entre 1540 e 1700 d.C; no entanto, este número Henningsen reduziou para 4,696, assumindo que alguns deles não foram submetidas a julgamentos formais.

• Galicia - Contreras e Henningsen relatam 19 execuções in persona, mas na verdade este tribunal executou apenas 17, porque os outros dois, embora condenados pelo tribunal de Galicia, foram finalmente queimados em Madrid [Contreras 1982; cf. Lea, III: 330]

• Granada - Sabemos de cerca de pelo menos 79 execuções in persona, incluindo sete em 1545 [Lea, III: 189], trinta nos anos 1550-1569 d.C [Garrad], vinte e quatro a partir de 1570 até 1625 d.C [Monter 1990: 44, 48, 233], doze no auto-de-fé de 1654 d.C [Graetz: 92] e seis no auto de fé em 1672 d.C [A. J. Saraiva, H. P. Salomon, I. S. D. Sassoon, The Marrano Factory: The Portuguese Inquisition and Its New Christians 1536–1765, BRILL, 2001: 217 n. 62]

• Llerena - Duas execuções no distrito de Badajoz (uma em 1540 e outra em 1544 d.C) pode ser adicionado a 47 relatados nas relaciones de Causas [Kurtz].

• Murcia - 165 execuções aconteceram entre 1550 e 1560 d.C [Monter 2008: 258-259], 25 entre 1570 e 1683 d.C [Blazquez Miguel 1987; as estatísticas dadas por Monter 1990: 48, estão incompletos] e 25 entre 1686 e 1699 d.C [Maqueda Abreu: 97]; um total de 215 execuções.

• Sevilha - pelo menos 138 execuções aconteceram a partir de 1540 até 1700 d.C, incluindo: dez em 1540 d.C [[see The Conversos and Moriscos in Late Medieval Spain and Beyond, Vol. II, BRILL 2012: 85], dois em 1545 d.C [Monter 1990: 38], cento e quatorze nos anos 1559-1660 d.C [González de Caldas: 528] e doze entre 1666 e 1695 d.C [Maqueda Abreu: 99-100]

• Toledo e Madrid - Dois moriscos de Daimiel foram queimados em 1541, treze réus foram queimados nos anos 1555-1569 d.C (Schäffer, II: 79-91], vinte e cinco nos anos 1570-1625 d.C [Monter 1990: 48-49] , mais dois entre 1648 e 1700 d.C [Lea, IV: 524]. Pode-se acrescentar também sete pessoas queimadas no auto de fé em Madrid em 1632, bem como dezenove mais queimados na mesma cidade em 1680 d.C [Lea, III: 228] . Isto nos leva a um total de 68 execuções.

• Valladolid – As Relaciones de Causas para este tribunal foram preservadas apenas para os vinte e nove anos no período entre 1620 e 1660 e informar sobre meras seis execuções in persona. No entanto, sabemos que mais de quarenta e três pessoas (principalmente protestantes) foram queimados entre 1559 e 1567 [Monter 1990: 41, 44, 233; Schäfer, II: 131], pelo menos, três Moriscos morreram no auto de fé em 1588 [DSI: 1640] e cinco judaizantes foram executados em 1691 [Lea, III: 197]. Um total de um mínimo de 57 execuções.

Os resultados descritos acima podem ser apresentados na tabela:

Tribunal

Número de execuções relatado nos relaciones de causas [Contreras-Henningsen]

Número total de execuções In persona confirmados

Barcelona

37

53

Navarre

85

90

Mallorca

37

38

Sardinia

8

21

Saragoça

200

250

Sicília

25

52

Valencia

78

93

Cartagena de Indias

3

2

Lima

30

31

Mexico

17

47

Subtotal (Aragão)

520

677

Canaries

1

3

Cordoba

8

27

Cuenca

0

34

Galicia

19

17

Granada

33

79

Llerena

47

49

Murcia

56

215

Sevilha

96

138

Toledo

40

68

Valladolid

6

57

Subtotal (Castela)

306

687

Total

826

1.364

A FASE FINAL (1700–1820 d.C)


As Relaciones de Causas do século 18 praticamente desapareceram. Eles foram parcialmente substituídas por alegaciones fiscales, mas suas séries estão muito menos completas. Além disso, as alegaciones fiscales parecem ter sido fornecidas pelos tribunais na Península Ibérica, mas não pelos tribunais da América Latina. Baseando-se nas alegaciones fiscales e nas contas dos autos-de-fé, Teofano Egido forneceu as seguintes estatísticas para o reinado de Filipe V 1701-1746 (aqui completado com as estatísticas para tribunais da américa Latina):

Tribunal

Número de autos de fe

Execuções in persona

Execuções em bonecos

Penitências

Total

Barcelona

4

1

1

15

17

Navarra

1

1

0?

0?

1?

Mallorca

3

0

0

11

11

Saragoça

1

0

0

3

3

Valencia

4

2

0

49

51

Canarias

0

0

0

0

0

Córdoba

13

17

19

125

161

Cuenca

7

7

10

35

52

Galícia

4

0

0

13

13

Granada

15

36

47

369

452

Llerena

5

1

0

45

46

Madrid (Corte)

4

11

13

46

70

Murcia

6

4

1

106

111

Sevilla

15

16

10

220

246

Toledo

33

6

14

128

148

Valladolid

10

9

2

70

81

Subtotal (Espanha)

125

111

117

1.235

1.463

México

5

1

0

36

37

Lima

9

1

4

69?

74?

Cartagena de Índias

0?

0?

0?

0?

0?

Subtotal (América Latina)

14

2

4

105

111

Total

139

113

121

1.340

1.574

Para o período posterior (1746-1820) podem ser fornecidas as seguintes estatísticas para os autos-de-fé, com base em dados fornecidos por Llorente [IV, 51 e 93], completadas com os dados do México e Lima:

Região/Tribunal

Número de autos de fe

Execuções in persona

Execuções em bonecos

Penitências

Total

Espanha

44

5

9

226

240

México

3

0

2

24

26

Lima

2

0

0

6

6

Total

49

5

11

256

272

Os dados para a Espanha, fornecidos por Llorente não foram verificados por estudiosos modernos, mas podem estar corretos, pois exatamente catorze execuções podem ser identificadas na Espanha, depois de 1746, sendo dez entre 1746 e 1759 e quatro restantes depois de 1759:

• 1749, Cordoba - uma execução in persona [Mocatta: 103]

• 1752, Llerena - sete execuções em Boneco [Lea, III: 91]

• 1753, Valencia - uma execução em Boneco [Lea, III: 479]

• 1753, Barcelona - uma execução in persona [Blazquez Miguel 1990: 84]

• 1763, Llerena - duas execuções in persona [Jean-François Bourgoin, Estado moderno da Espanha, v 1, Londres 1808:. 350; cf. Llorente, IV: 269]

• 1781, Sevilha - uma execução in persona [Lea, IV: 90]

• 1802, Cuenca - uma execução em boneco [Lea, III: 208]

Duas execuções adicionais em bonecos aconteceram no auto de fé no México em 1795 d.C [Lea SD: 273].

No entanto, os dados apresentados acima para os séculos 18 e 19 incluem apenas as sentenças previstas nos autos de fe públicos. Naquele tempo, a grande maioria dos réus recebiam penitências privada (intra muros). As alegaciones fiscales preservadas fornecidas pelos tribunais espanhóis (excluindo a América) informa 4.000 casos durante o século 18 [ver Dedieu em Bennassar: 32, mas completo com dados para as Canárias fornecidos por Sarrión Mora: 104; e para Mallorca fornecidos por Rafael Ramis Barceló, Las alegaciones Fiscales del Tribunal de la Inquisición de Mallorca, Cuadernos de Historia del Derecho 2011, no. 18: 285-299]:

Tribunal

Número de casos reportados nas alegaciones fiscales depois de 1700 d.C

Barcelona

220

Navarre

295

Mallorca

74

Saragoça

330

Valencia

259

Canaries

3

Cordoba

163

Cuenca

236

Galicia

208

Granada

262

Llerena

239

Madrid (Corte)

268

Murcia

361

Seville

541

Toledo

186

Valladolid

186

Total

3.831

Existem dados mais completos para alguns tribunais, que incluem também os casos sem sentença pública em auto-de-fé e, aparentemente, também aqueles resolvido em processo sumário:

Valladolid - 1.223 casos de 1700 até 1820 d.C [DSI: 1640],

Valencia - 1.323 casos entre 1700 e 1750 d.C e quase 2.800 depois de 1750 até 1820 [Haliczer: 87, 332]

Toledo - 976 casos entre 1700-1820 d.C, incluindo 416 julgamentos formais e 560 processos concluídos nos processos sumários [Dedieu 1989: 242]

Madrid - 1.391 casos nos anos 1700-1820 d.C [Blazquez Miguel 1994]

Barcelona - 639 casos no período 1706-1820 d.C [Blazquez Miguel 1990]

Cuenca - 961 casos de 1740 até 1820d.C [Sarrión Mora: 92]

Granada - 356 casos nos anos 1700-1740 d.C [González de Caldas: 120]

Sevilha - 537 casos nos anos 1700-1740 d.C [González de Caldas: 120].

Lima - 370 julgamentos de 1700 até 1820 d.C [http://www4.congreso.gob.pe/museo/resena_historica_peru.html].

De acordo com Legajo 100, citado por H. Ch. Lea, todos os tribunais espanhóis (excluindo os tribunais da América Latina) processaram 6.569 pessoas entre 1780 e 1820 [Lea, IV, 177].

CONCLUSÃO


Olhando para os dados apresentados acima, torna-se rapidamente claro que a estimativa do número de execuções feitas por Monster (2,750-3,250) e Kamen (2.000 até 1530) são certamente muito baixos, enquanto as de Garcia Carcel (4,200-5,250) e de Contreras (3,000-5,000) têm pouca margem para as lacunas na documentação, porque há quase 4.000 execuções confirmadas in persona entre 1481 e 1820, sendo 2.500 antes de 1540 e quase 1.500 no período posterior.
Por outro lado, parece igualmente difícil aceitar a estimativa de pelo menos 12.100 execuções de Del Col até 1700, incluindo 10.500 nos primeiros cinquenta anos. Este último número, Del Col estabeleceu da seguinte forma: ele assumiu o número de pelo menos 70.000 julgamentos formais até 1530 baseando-se da estimativa da Dedieu e assumiu, que a taxa de execuções in persona durante este período foi de 15% (= 10.500). No entanto, Dedieu, na verdade, não especificou, se o número total de 200.000 casos refere-se aos julgamentos formais apenas, ou talvez também para processos sumários e, possivelmente, até mesmo para reconciliações sob Editos de Graça. Além disso, o próprio Dedieu reduziu enormemente o seu cálculo inicial do número de Julgamentos pela Inquisição de Toledo 15,998 a 9,567. Vários milhares de casos ele mudou para a categoria de “processos sumários” [cf. Bethencourt: 337-339]. Aplicando o mesmo recálculo para toda a Espanha, nós conseguiríamos entre 120.000 e 130.000 julgamentos. Também os dados disponíveis para Toledo, Valencia e Cuenca não suportam a tese de mais de 70.000 julgamentos formais ocorridos antes de 1530. De acordo com a mais recente pesquisa, Toledo teve 2.874 julgamentos até 1530, enquanto Valencia 3.059, e devemos lembrar que estes dois pertenciam a tribunais muito importantes e muito ativos. Cuenca teve apenas 1.124 julgamentos durante este período. É verdade, que Sevilha teve provavelmente mais de cinco ou seis mil, mas no outro extremo temos pequenos tribunais, como Ávila, Canárias, Siguenza ou Teruel, com algumas centenas ou mesmo apenas algumas dezenas de julgamentos. Parece provável, que o número total de julgamentos antes de 1540 havia mais de 50.000 (talvez muito menos, embora certamente mais de 30.000). No entanto, quando levamos em conta também reconciliações sob Editos de graça, o número de mais de 70.000 casos seria muito provável, porque os autores contemporâneos relatam 15.000 reconciliações sob Editos de Graça em 1480, só em Castela. Aceitando esta estimativa contemporânea, e adicionando as reconciliações de Castela depois de 1490, bem como os de Aragão, nós provavelmente facilmente alcançamos um número de 25.000.

O número de execuções até 1540 d.C podem ser estimadas da seguinte forma. No Reino de Aragão existem 1.140 execuções confirmadas e os dados disponíveis não parecem ter graves lacunas. Apenas o pequeno tribunal da Sardenha é omitido e algumas lacunas podem incidir sobre os outros, mas a margem de erro não é muito grande, talvez apenas 10-12% (cf. Monter 1990:. 22] Isso traria um total de cerca de 1.200 -1.400 execuções in persona em todo o reino de Aragão.

Em Castela, por outro lado, existem apenas 1.500 execuções confirmadas in persona, mas os dados são muito mais fragmentados. Durante o período inicial, houve um total de cerca de vinte tribunais no Reino de Castela, incluindo oito que poderiam ser tratados como grandes, estáveis e ativos durante toda ou a maior parte deste período (Sevilha, Córdoba, Jaén, Toledo, Estremadura , Valladolid, Murcia, Cuenca), e quatorze pequenos, temporária ou criados apenas no fim deste período (Jerez de la Frontera, Las Palmas, Siguenza, Ávila, Segovia, Salamanca, Burgos, León, Osma, Durango, Santiago de Compostela , Oran, Navarra, Granada). Para o primeiro grupo, nós temos dados bastante certos e completos apenas para Cuenca até 1530 (223), mas sabemos que vários outros tribunais executaram muito mais réus, por exemplo, Sevilha (pelo menos 248 pessoas até 1524 d.C, mas talvez até 600-1,000), Cordoba (pelo menos 264 pessoas até 1516d.C) ou Toledo (pelo menos 339). No segundo grupo, temos dados completos apenas para Avila (66) e Las Palmas (8). Assumindo um número médio de execuções por tribunal entre 300 e 400 para o primeiro grupo e 50-100 para o segundo grupo, houve 3.100-4.600 execuções no Reino de Castela até 1540. Assim, o número total de execuções in persona no início do período de atividade da Inquisição espanhola parece elevar-se de 4,300-6,000 pessoas.

O período posterior é muito menos problemático. Há quase 1.500 execuções confirmadas in persona de 1540 até 1781 d.C, e este número é provavelmente muito próximo da realidade. Para o período 1540-1700 d.C houve provavelmente 85.000 à 90.000 julgamentos, e as relaciones de Causas preservadas sugerem que a taxa de execuções in persona foi de 1,8%. Isto significaria 1.600 execuções, com muito pouca margem de erro, que é muito perto de mais de 1.360 execuções confirmadas durante este período e listados acima.

Para o século 18 temos provavelmente uma lista completa de execuções, porque autos-de-fé tornaram-se muito raro neste período e a maioria deles estão bem documentados. Eles ascender a 118 execuções in persona e não parece provável que um número real possa ser significativamente maior. Mais difícil é estimar o número de julgamentos. Dedieu sugere que apenas um espanhol em cem mil foi levado a julgamento durante o século 18 [Dedieu, 1987: 85]. O número de 1.463 julgamentos até 1746 dado por Teófanes Egido refere-se apenas às sentenças públicas em autos-de-fé; muitos mais casos foram resolvidos intra muros. Muito mais representativo é o catálogo para o período 1780-1820 d.C, citado por Lea, que menciona 6.569 casos, uma média de cerca de 164 por ano. Parece que houve pelo menos 20.000 casos após 1700, embora os dados de Toledo sugerem que os julgamentos formais constituem apenas menos metade deles, e apenas alguns deles terminaram com sentenças públicas. A estimativa de 10.000 julgamentos nos séculos 18 e 19 parece ser realista.

Somando-se todas estas estimativas, gostaríamos de atingir os seguintes números: 130.000 à 150.000 julgamentos formais entre 1481 e 1820 (35,000-50,000 antes de 1540 d.C e 85,000-90,000 entre 1540-1700 d.C e cerca de 10.000 depois de 1700), com pelo menos 6.000, mas menos de 8.000 execuções in persona. Portanto, a taxa de execuções foi 4% à 6% das pessoas julgadas.

BIBLIOGRAFIA


Patricia Baneres. Histoire d'une repression : les judeo-convers dans le royaume de Valence aux premiers temps de l'Inquisition (1461-1530). History. Universite Paul Valery - Montpellier III, 2012

Juan Blazquez Miguel, Catalogo de los processos inquisitoriales del Tribunal del Santo Oficio de Murcia, in: Murgetana, no. 74, 1987, p. 5-109 [Blazquez Miguel 1987]

Juan Blazquez Miguel, Catalogo de los processos inquisitoriales del Tribunal del Santo Oficio de Barcelona, in: Espacio, Tiempo y Forma, Serie IV, H.^ Moderna, t. 3, 1990, p.. 11-158 [Blazquez Miguel 1990]

Juan Blazquez Miguel, Catálogo de procesos inquisitoriales del Tribunal de Corte, Revista de la Inquisición: (intolerancia y derechos humanos), Nº 3 1994 , pp. 205-258 [Blazquez Miguel 1994]

Pere Miguel Carbonell, Liber descriptionis reconciliatonisque purgationis et condemnationis haereticorum, ed. in Colleccion de documentos ineditos del Archivo General de Corona de Aragon, t. 28, Barcelona 1865 [Carbonell]

Jaime Contreras, El Santo Oficio de la Inquisición de Galicia (Poder, sociedad y cultura), Madrid 1982 [Contreras 1982]

Ana Cristina Cuadro García, Acción inquisitorial contra los judaizantes en Córdoba y crisis eclesiástica (1482-1508), Revista de Historia Moderna Anales de la Universidad de Alicante nº 21 – 2003, available on http://genocidiomorisco.blogspot.com/2010/03/accion-inquisitorial-contra-los.html

Jean-Pierre Dedieu: L'Inquisition, Les Edition Fides 1987 [Dedieu 1987]

Jean-Pierre Dedieu: Les quatre temps de l'Inquisition in: Bartolomé Bennassar, Inquisición española: poder político y control social, Editorial Crítica, 1981 [Dedieu in Bennassar]

Jean-Pierre Dedieu: L'administration de la foi. L'Inquisition de Tolède et les vieux-chrétiens (XVIe-XVIIe siècle), Madrid 1989 [Dedieu 1989]

Luis Delgado Merchán, Historia documentada de Ciudad Real: La Judería, la Inquisición y la Santa Hermandad, Ciudad Real 1907 [Delgado Merchán]

Dizionario Storico dell’Inquisizione, vol. I-III, Pisa 2010 [DSI]

Fidel Fita: La inquisición toledana. Relación contemporánea de los autos y autillos que celebró desde el año 1485 hasta el de 1501, Boletín de la Real Academia de la Historia, tomo 11, 1887: 289-322, available on http://www.cervantesvirtual.com/obra-visor/boletin-de-la-real-academia-de-la-historia--7/html/02588820-82b2-11df-acc7-002185ce6064_108.html [Fita 1887]

Fidel Fita: Nuevos datos para escribir la historia de los judíos españoles, Boletín de la Real Academia de la Historia, tomo 15, 1889: 311-346 [Fita 1889]

Fidel Fita, La Inquisición de Ciudad Real en 1483-1485. Documentos inéditos, in: Boletín de la Real Academia de la Historia, tomo 20 (1892), pp. 462-520, available on http://www.cervantesvirtual.com/obra-visor-din/la-inquisicin-de-ciudad-real-en-14831485-documentos-inditos-0/html/006e446e-82b2-11df-acc7-002185ce6064_13.html#I_0_ [Fita 1892]

Fidel Fita, La Inquisición en Guadalupe, in: Boletín de la Real Academia de la Historia, tomo 23 (1893), pp. 283-343, available on http://www.cervantesvirtual.com/obra-visor-din/la-inquisicin-en-guadalupe-0/html/00c0fede-82b2-11df-acc7-002185ce6064_13.html#I_0_ [Fita 1893]

Teofanes Egido, Las modificaciones de la tipologia: nueva estructura delictiva, in: Joaquín Pérez Villanueva & Bartolomé Escandell Bonet (ed.), Historia de la Inquisición en España y América, vol. 1, Madrid 1984

Garrad K. La Inquisición y los moriscos granadinos 1526-1580. In: Bulletin Hispanique, tome 67, n°1-2, 1965. pp. 63-77. available on http://www.persee.fr/doc/hispa_0007-4640_1965_num_67_1_3835 [Garrad]

Victoria González de Caldas, Judíos o cristianos?, Universidad de Sevilla 2000

Heinrich Graetz, History of Jews, vol. V, reprint 2009 [Greatz]

Stephen Haliczer, Inquisition and Society in the Kingdom of Valencia, 1478-1834, University of California Press 1990 [Haliczer]

Jaime Contreras and Gustav Henningsen, Forty-Four Thousand Cases of the Spanish Inquisition (1540–1700); Analysis of a Historical Data Bank in: The Inquisition in Early Modern Europe, ed. Gustav Henningsen and John Tedeschi, Northern Illinois University Press 1986, p. 100-129 [Contreras-Henningsen]

Gustav Henningsen, The Database of the Spanish Inquisition. The relaciones de causas project revisited, in: Heinz Mohnhaupt & Dieter Simon (ed.), Vorträge zur Justizforschung, Vittorio Klostermann, 1993, p. 43-85 [Henningsen 1993]

Henry Kamen, Inquisição Espanhola PIW 2005 [Kamen]

William Kurtz, Judíos en Badajoz: algunas notas a partir de la documentación del Archivo Catedralicio de Badajoz, available on https://www.academia.edu/2146627/Jud%C3%ADos_en_Badajoz_algunas_notas_a_partir_de_la_documentaci%C3%B3n_del_Archivo_Catedralicio_de_Badajoz [Kurtz]

Henry Charles Lea, A History of the Inquisition of Spain, Vol. 1-4, Macmillan 1906-1907 (available on http://libro.uca.edu/author.htm online) [Lea, I-IV]

Henry Charles Lea, The Inquisition in the Spanish Dependencies, London 1922 [Lea SD]

Juan Antonio Llorente, Histoire critique de l’inquisition d’Espagne, vol. I-IV, Paris 1817-1818 [Llorente I-IV]

Consuelo Maqueda Abreu, El auto de fe, Madrid 1992

Linda Martz, A Network of Converso Families in Early Modern Toledo, Univ. of Michigan Press 2003 [Matrz]

FERMÍN MAYORGA: LA COMUNIDAD JUDÍA EN FREGENAL A FINALES DEL SIGLO XV, in: Alcántara, 67 (2007): pp. 25-88, available on: http://ab.dip-caceres.org/export/sites/default/comun/galerias/galeriaDescargas/archivo-y-biblioteca-de-la-diputacion/Alcantara/04-067-alc/04-067-002-La_comunidad.pdf [Mayorga 2007]

Frederic David Mocatta, Jews of Spain and Portugal and the Inquisition, Kessinger Publishing, 2003 [Mocatta]

William Monter, Frontiers of Heresy: The Spanish Inquisition from the Basque Lands to Sicily, Cambridge 1990 [Monter 1990]

William Monter, The Inquisition, in: A Companion to the Reformation World, John Wiley & Sons 2008, pp. 255-271 [Monter 2008]

Norman Roth: Conversos, Inquisition, and the Expulsion of the Jews from Spain, Univ. of Wisconsin Press 2002 [Roth]

Herman P. Salomon, Spanish marranism re-examined, in: Sefarad, Tom 67, pp. 111-154

Adelina Sarrión Mora, Sexualidad y confesión: La solicitación ante el Tribunal del Santo Oficio (siglos XVI-XIX), Univ de Castilla La Mancha, 2010

Ernst Schäffer, Beiträge zur Geschichte des Spanischen Protestantismus, Bd. I-II, Gütersloh 1902 [Schäffer I-II]

Klaus Wagner, La Inquisición en Sevilla (1481-1524). Notas al margen de las Actas Notariales del Archivo de Protocolos de Sevilla referentes a los Autos de Fe celebrados en dicha ciudad, in: Homenaje al Profesor Carriazo, t. III, Seville 1973, pp. 441-460 [Wagner]

PARA CITAR


Karlikowski, Tomasz. O número de pessoas mortas na Inquisição Espanhola. Disponível em: <http://apologistascatolicos.com/index.php/idade-media/inquisicao/862-o-numero-de-pessoas-mortas-da-inquisicao-espanhola-inedito>. Desde:11/03/2016. Traduzido por: Rafael Rodrigues.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS