Não há quem se interesse pelas bases de sua fé que não tenha que lidar com esse assunto que tem gerado controvérsias principalmente após o surgimento do protestantismo. O que para alguns é uma instituição meramente humana, prejudicial e perigosa, para outros faz parte da própria característica da Igreja estabelecida por Cristo e sem a qual já não seria mais Igreja. Neste livro, Rafael Merry del Val expõe as incoerências e falsidades das principais alegações contra o Papado. O que é a Supremacia do Sucessor de São Pedro? O que as Sagradas Escrituras falam sobre as alegações católicas? E os escritos dos primeiros cristãos, os chamados Padres da Igreja, desmentem ou confirmam este dogma? Os protestantes estão certos ou errados ao negar a Primazia de Roma? Estas e outras perguntas são tratadas de forma magistral por este futuro príncipe da Igreja. Este livro não é para pessoas desleixadas que, no afã de permanecer no conforto, tratam as verdades reveladas por Jesus Cristo como irrelevantes. Este livro é para quem tem sede da Verdade, para quem já conhece e deseja aprofundar-se no que Jesus ensinou, e também para quem deseja conhecê-la.

 

COMPRE AQUI: http://www.editoraloreto.com/produto/a-verdade-sobre-o-papado/

 

 

PROPOSTA DE VAQUINHA COLETIVA - AS 5 SESSÕES DO CONCÍLIO VATICANO II: documentos, esquemas preparatórios e discursos dos Padres Conciliares. - edição bilíngue latim-português, da Editora Vozes, em 5 Volumes.

Volume 1: 263 pp.
Volume 2: 417 pp.
Volume 3: 561 pp.
Volume 4: 642 pp.
Volume 5: 580 pp.
Documentos do CVII: 735 pp.

- La Iglesia del Concilio – Miguel Nicolau, S. J. 457 páginas – 1966 (espanhol)

- Escritura e Revelação – Miguel Nicolau, S. J. 220 páginas – 1968 (português)

- Decreto do Ecumenismo do Concílio Vaticano II – Pe. Miguel Nicolau, S. J. 192 páginas (português)

TOTAL: 4.388 pp.

Valor FALTANTE da VAQUINHA : R$ 348,20 

Celebramos recentemente a Sexta-Feira Santa e a Páscoa, as celebrações anuais da morte e ressurreição de Jesus.

Todos nós sabemos que isso aconteceu em Jerusalém no primeiro século.

Isso separa Jesus das míticas divindades pagãs, que deveriam viver em lugares ou tempos que ninguém poderia especificar.

Quão específico podemos ser com a morte de Jesus?

Podemos determinar o dia exato?

Nós podemos.

E aqui está como. . .

 

Pista # 1: O Sumo Sacerdócio de Caifás

Os evangelhos indicam que Jesus foi crucificado por instigação do sumo sacerdote do primeiro século chamado Caifás (Mateus 26, 3-4, João 11, 49-53).

Sabemos por outras fontes que ele serviu como sumo sacerdote de 18 a 36 DC, ​​de modo que coloca a morte de Jesus nesse período.

Mas podemos ficar mais específicos. Muito mais.

 

Pista # 2: A Governança de Pôncio Pilatos

Todos os quatro evangelhos concordam que Jesus foi crucificado no comando de Pôncio Pilatos (Mateus 27, 24-26, Marcos 15,15, Lucas 23,24, João 19, 15-16).

Sabemos por outras fontes quando ele serviu como governador da Judéia - A.D. 26 a A.D. 36 - para que possamos reduzir a faixa de vários anos.

Mas como vamos conseguir isso para um dia e ano específicos?

Pista # 3: Após "o décimo quinto ano de Tibério César"

O Evangelho de Lucas nos diz quando o ministério de João Batista começou:

No décimo quinto ano do reinado de Tibério César. . . A palavra de Deus veio a João, filho de Zacarias, no deserto [Lucas 3, 1-2].

Isso seleciona um ano específico: 29 DC

Uma vez que todos os quatro evangelhos descrevem o ministério de Cristo começando depois de João Batista ter começado (Mateus 3, Marcos 1, Lucas 3, João 1), isso significa que podemos "aparar" alguns anos mais fora de nosso alcance.

A morte de Cristo teve que ser em uma escala de sete anos: entre 29 e 36 DC.

 

Pista # 4: Crucificado em uma sexta-feira

Todos os quatro evangelhos concordam que Jesus foi crucificado numa sexta-feira (Mateus 27,62, Marcos 15,42; Lucas 23, 54; João 19,42), pouco antes de um sábado, que era pouco antes do primeiro dia da semana (Mateus 28, 1, Marcos 16, 2, Lucas 24, 1, João 20, 1).

Sabemos que foi uma sexta-feira porque é referido como "o dia da preparação" - isto é, o dia em que os judeus fizeram os preparativos que precisavam para o sábado, uma vez que não podiam fazer nenhum trabalho naquele dia. Assim, assim alimentos cozidos com antecedência e fez outras preparações necessárias.

A Enciclopédia Judaica declara:

Sexta-feira, como o precursor de Shabbat, é chamado "Ereb Shabbat" (A Véspera do Sabbath). O termo "ereb" admite dois significados: "noite" e "mistura" (Ex. Xii.38); E "Ereb Shabbat" denota, portanto, o dia da noite de que o Sabbath começa, ou o dia em que o alimento é preparado tanto para o atual e os dias seguintes, que este último é sábado.

A idéia de preparação é expressa pelo nome grego paraskeué, dado por Josefo ("Ant." Xvi.6, § 2) até aquele dia (compare Marcos xv, 42, Lucas xxiii, 54, Mateus xxvii, 62, João xix 42). Em Yer. Pesaḥim iv. 1 o dia é chamado "Yoma da-'Arubta" (Dia de Preparação) [Jewish Encyclopedia, s.v., "Calendar"].

Isso elimina seis dias da semana, mas ainda havia muitas sextas-feiras entre os dias 29 e 36 DC.

Podemos descobrir qual?

 

Pista # 5: Uma sexta-feira na Páscoa

Os evangelhos também concordam que Jesus foi crucificado em conjunto com a festa anual da Páscoa (Mateus 26,2, Marcos 14, 1, Lucas 22, 1, João 18,39).

Aqui encontramos uma complicação momentânea, porque Mateus, Marcos e Lucas descrevem a Última Ceia na Quinta-feira Santa como uma refeição da Páscoa (Mateus 26,19, Marcos 14,14, Lucas 22,15). Isso sugere que a Sexta-Feira Santa foi o dia após a Páscoa.

No entanto, ao descrever a manhã da Sexta-Feira Santa, João indica que as autoridades judaicas ainda não haviam comido a refeição da Páscoa:

Então levaram Jesus da casa de Caifás para o pretório (isto é, o palácio de Pilatos). Era cedo. Eles próprios não entraram no pretório, para que não se contaminassem, mas pudessem comer a páscoa. Então Pilatos saiu para junto deles [João 18, 28-29a].

Isso sugere que a Páscoa teria começado no pôr-do-sol sexta-feira.

Há uma série de maneiras de resolver isso. Por exemplo, alguns sugeriram que Jesus e seus discípulos usaram um calendário diferente do das autoridades judaicas, e sabemos que havia calendários diferentes em uso no Judaísmo do primeiro século.

Também é possível que Jesus apenas tenha avançado a data da celebração da Páscoa para ele e seus discípulos. Quero dizer, eles já estavam convencidos de que ele era o Messias e o Filho de Deus. Se ele diz: "Nós estamos celebrando a Páscoa hoje", e é um dia antes do que a maioria das pessoas, eles iriam com isso. (Note que ele fez outras modificações na cerimônia, como instituir a Eucaristia no meio dela).

E há outras soluções.

No entanto, independentemente do que o movimento de Jesus fez, podemos olhar para a declaração de João sobre os captores de Jesus como uma indicação do que as autoridades judaicas ou a prática judia mainstream era: Eles estavam comemorando um início da Páscoa sobre o que chamaríamos sexta-feira à noite.

Isso nos permite restringir a gama de datas possíveis para apenas alguns. Aqui está uma lista completa dos dias entre os dias 29 e 36, em cujas noites a Páscoa começou:

Segunda-feira, 18 de abril, 29 de agosto

Sexta-feira, 7 de abril, 30 de agosto

Terça-feira, 27 de março, 31 de dezembro

Segunda-feira, 14 de abril, DC 32

Sexta-feira, 3 de abril, 33 DC

Quarta-feira, 24 de março de 34

Terça-feira, 12 de abril de 35

Sábado, 31 de março, 36 DC

Como você pode ver, temos apenas dois candidatos: Jesus foi crucificado no dia 7 de abril de 30 DC ou 3 de abril de 33 DC.

Qual foi?

A data tradicional é a de 33 DC Você vai encontrar um grande número de pessoas hoje defendendo a data 30 DC

Os evangelhos nos deixam decidir entre os dois?

 

Pista 6: As Três Páscoas de João

O Evangelho de João registra três Páscoas diferentes durante o ministério de Jesus:

Páscoa # 1: Isto está registrado em João 2,13, perto do início do ministério de Jesus.

Páscoa # 2: Isto está registrado em João 6, 4, no meio do ministério de Jesus.

Páscoa # 3: Isto está registrado em João 11,55 (e freqüentemente mencionado depois), no final do ministério de Jesus.

Isso significa que o ministério de Jesus teve de transcorrer mais de dois anos. Um tratamento mais completo revelaria que ele durou cerca de três anos e meio, mas mesmo se assumirmos que começou imediatamente antes da Páscoa # 1, a adição de mais dois passover mostra que durou mais de dois anos no mínimo.

Isso significa que a data do 30 DC está fora.

Não há tempo suficiente entre o décimo quinto ano de Tiberius César - 29 DC - e a Páscoa do próximo ano para acomodar um ministério de pelo menos dois anos.

Os números não batem.

Como resultado, a data tradicional da morte de Jesus - sexta-feira, 3 de abril, 33 DC - deve ser considerada como a correta.

Podemos ser ainda mais precisos?

 

Pista  # 7: "A Nona Hora"

Mateus, Marcos e Lucas registram que Jesus morreu por volta da "hora nona" (Mateus 27, 45-50, Marcos 15, 34-37, Lucas 23, 44-46).

"A nona hora" é o que nós, hoje, chamaríamos de 3:00 p.m (15 horas).

Isso nos permite reduzir o tempo da morte de Jesus a um ponto muito específico na história: por volta das 3:00 p.m (15 horas)  de sexta-feira, 3 de abril de 33.

Naturalmente, há muitos argumentos detalhados que eu não tomei o espaço para tratar aqui. Mas este é o impulso das coisas.

 

FONTE


AKIN, JIMMY. National Catholic Register. 7 clues tell us *precisely* when Jesus died (the year, month, day, and hour revealed) <http://www.ncregister.com/blog/jimmy-akin/when-precisely-did-jesus-die-the-year-month-day-and-hour-revealed>

PARA CITAR


AKIN, JIMMY. 7 pistas nos dizem "precisamente" quando Jesus morreu (o ano, mês, dia e hora revelados). Disponível em <http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/noticias/966-7-pistas-nos-dizem-precisamente-quando-jesus-morreu-o-ano-mes-dia-e-hora-revelados>. Desde 19/04/2017. Tradutor: Vanderley Duran.

 

 

Na primeira resposta Duns Escoto explica que a Sagrada Escritura contém suficientemente a doutrina necessária à salvação. Explica que aquelas verdades que ela não expressa estão, contudo, virtualmente contidas nela, a semelhança das conclusões contidas nos princípios.

Na segunda resposta explica que há verdades não ensinadas no Evangelho e nem no Novo Testamento em geral, mas que foram transmitidas pelos Apóstolos, conservadas pelo costume da Igreja.

Brilhante e prévia refutação ao uso descabido dos Pais da Igreja pelos protestantes para reivindicar a doutrina da Sola Scriptura. Segue os trechos do Beato Duns Escoto:

 

“Pergunta-se se na Sagrada Escritura se transmite suficientemente a doutrina sobrenatural necessária ao peregrino. E argumenta-se que não.

[...]

Há muitos atos acerca dos quais não conhecemos com certeza pela Sagrada Escritura se são pecados ou não; mas é necessário conhecer para salvar-se, pois o que ignora que tal ou qual coisa é pecado mortal, não a evitará suficientemente, logo, etc.

[...]

E, por último, enquanto à objeção terceira, temos a mão a autoridade de Orígenes, quem na homilia De arca Noe diz assim: “A Escritura guarda convenientemente silêncio acerca daquelas coisas que a razão deduz como consequência”. Por onde a Escritura não expressa muitas verdades necessárias, embora estas se achem, a modo das conclusões nos princípios, virtualmente contidas nela; e precisamente para investiga-las resulta útil e frutuosa o labor de doutores e expositores”.  (Ordinatio, Prologus, II, quaestio única)

 

"De novo, pelo razoamento dos Gregos: nada deve ser mantido como um artigo de fé, salvo o que está contido no Evangelho (que confusamente contém a fé), ou pelo menos na Escritura do Novo Testamento; mas não se vê expresso no Novo Testamento que o Espírito Santo procede do Filho, portanto, etc".

[...]

"Para o razoamento, sobre o Evangelho [n. 4], eu digo que a doutrina "Cristo desceu ao inferno", não é ensinada no Evangelho, e ainda assim deve ser mantida como um artigo de fé, porque isso é colocado no Credo Apostólico. Assim são muitas outras coisas sobre os sacramentos da Igreja não expressadas no Evangelho e, todavia, a Igreja as mantêm, transmitidas com certeza pelos Apóstolos, e seria perigoso errar sobre coisas que não apenas foram transmitidas pelos Apóstolos, mas são além disso mantidas pelo costume da Igreja universal. Nem Cristo no Evangelho ensinou todas as coisas relativas à dispensação dos sacramentos; pois ele disse a seus discípulos (João 16,12-13): "Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora". Portanto, o Espírito Santo ensinou-lhes muitas coisas que não estão escritas no Evangelho: e muitas coisas, algumas por escrito, outras pelo costume da Igreja, foram transmitidas". (Ordinatio, dist. 11, q. 1)

 

Leia também o artigo: Pais da Igreja e a Tradição Apostólica