Papa Inocêncio e a condenação de Pelagianismo

Estudos Patrísticos
Typography

INTRODUÇÃO


O “antipapalismo” da Igreja Africana tem sido um tema fecundo para controversialistas protestantes. São Cipriano tem sido, desde os dias de Dodwell, sua instância preferida de resistência às reivindicações romanas. Apiarius eles nunca estão cansados de citar. Santo Agostinho é citado como um protestante nos Trinta e nove artigos da Igreja anglicana. “Os defensores da Infalibilidade Papal são obrigados a desistir de Santo Agostinho”, disse o imprudente Janus.[1]A Inglaterra”, escreveu Dr. Pusey[2]. “não é, neste momento, mais independente de qualquer autoridade do bispo de Roma do que a África foi nos dias de Santo Agostinho”. Puller tem seguido nos últimos anos, advertindo “aos homens honrados” para “abster-se de fingir que a Igreja da África do Norte, no tempo de Santo Agostinho, acreditava nos princípios estabelecidos pelo Concílio do Vaticano I”: seria “uma impertinência e um ato de loucura”. Rivington aventurou-se a cometer essa impertinência, apesar de tão solene advertência; e Dr. Bright retaliou Church Quarterly Review, e mais tarde reeditou seus artigos aparentemente apressados no livro The Roman See in the Early Church.

A RELAÇÃO DOS FATOS E HISTÓRIA DE PELAGIANISMO


A melhor resposta para tais afirmações selvagens é uma mera relação de fatos. Proponho-me a dar a história da condenação de Pelagianismo, na medida do possível, nas palavras das autoridades originais, dando referências para cada fato. Estes podem ser facilmente verificados por qualquer pessoa que tenha acesso ao segundo e décimo volume das obras de Santo Agostinho, o antigo conteúdo de suas cartas, incluindo os últimos seus tratados contra os pelagianos, em conjunto com um apêndice de documentos relativos à história dessa heresia.[3]

Não deve ser negado que a Igreja Africana olhou para a Igreja Romana como sendo sempre livre de heresia, ou como possuindo um presente especial de fé. Tertuliano sinalizou a entre Igrejas Apostólicas como aquela em que os Apóstolos derramaram a sua fé com o seu sangue.[4] Pois os romanos, cuja fé foi elogiado pelo Apóstolo, diz São Cipriano, “heresia não pode ter acesso.”[5] E isso porque era a Sé de Pedro, nas palavras de São Cipriano - locus Petri[6]cathedra Petri, ecclesia principalis unde unitas sacerdotalis exorta est[7]. Lá a própria cátedra de Pedro foi preservada, in qua una cathedra unitas ab omnibus seruaretur[8]; e, nas palavras de Santo Agostinho ipsa est quam petra non uincunt superbae inferorum portae[9]. Na igreja romana sempre apostolicae cathedra uiguit Principatus[10], diz Santo Agostinho a sucessão de seus Bispos é uma das marcas da verdadeira Igreja, em oposição à heresia.[11]

A Igreja Romana e à Sé de Pedro são, portanto, o centro divinamente posto de unidade, e, ao mesmo tempo e, consequentemente, incapaz de errar. Dr. Bright e Puller, seguindo o exemplo de uma longa série de escritores anglicanos, explicam as palavras de São Cipriano, como se estivessem lidando com os trinta e nove artigos; mas a tese acima será confirmada pelas evidências apresentadas nas páginas seguintes, em que o Bispo de Roma aparecerá como o juiz final e inerrante de questões de fé.

PELÁGIO E CELÉSTIO ENSINAM A HERESIA


A honra de produzir Pelágio’a parece pertencer a nossa própria terra (Inglaterra). Monge e leigo, ele residiu muito tempo em Roma, e conseguiu alguma fama de santidade. Um homem grande, gordo, Orósio disse que ele era; engordado, acrescenta São Jerônimo, como o mingau dos escoceses. Ele foi de Roma para Cartago, em 410 d.C, no momento em que a Cidade Eterna foi saqueada, e enontrou  Santo Agostinho lá uma ou duas vezes durante o ano seguinte. Ele já tinha a fama de ter opiniões heréticas, mas o santo estava muito ocupado em discussões com os donatistas para tomar muito conhecimento dele[12]. Da África Pelágio parece ter ido para o Egito e Palestina.

Celestio, seu discípulo, parece ter deixado Roma com seu mestre, ou pelo menos na mesma época, e foi em Cartago por volta do ano 411 d.C.[13] Ele nasceu eunuco, mas foi de consideráveis talentos e de origem nobre. Ele esperava alcançar o sacerdócio, mas foi levado ao conhecimento de Aurélio, bispo de Cartago, como um pregador de heresia. Em um concílio no mesmo ano[14] ele foi acusado por Paulino, um diácono de Milão, que tinha sido ordenado pelo grande Santo Ambrósio, e tinha escrito a sua vida, a pedido de Santo Agostinho. Celestio foi condenado e excomungado, sendo obstinado em seus erros. “A partir desta frase”, diz Mario Mercator, o discípulo e contemporâneo de Santo Agostinho, “ele pensou estar apto a apelar para o exame do Bispo de Roma”. No entanto, pouco tempo depois, negligenciado neste apelo, ele foi para Éfeso, e lá tentou obter o sacerdócio por fraude.[15]

Eu não podia fazer nada naquele momento”, o próprio Paulino escreveu mais tarde, “para ele, que tinha apelado à Sé Apostólica (Roma), não se verificou quando ele devia obviamente ter defendido os direitos de seu recurso, e especialmente desde , mesmo de acordo com as leis civis, quando o recorrente não obtem respostas, é sempre o ganhador do julgamento original, que é vencedor ".[16]

Ninguém fez a menor objeção a este apelo; e vemos que Mercator e Paulino culpam Celestio de não se atrevendo dar continuidade no momento. Teve o caso sido um dos casos de disciplina, como o de Apiarius, é possível que os africanos poderiam ter solicitado o Papa para recusar-se de ouvi-lo, embora seja pouco provável, como Celestio não era um Africano. Mas a questão dos africanos terem negado ou não, em carta de 424 ou 425 a São Celestino, o direito do Papa de conhecer os recursos, não faz parte da matéria, tanto dos fatos antes de nós quanto de toda a história que estamos prestes a relatar, é evidente que tal caso de fé foi, naturalmente endereçado a Roma; enquanto o apelo do sacerdote Apiário foi uma medida incomum, sendo um recurso após a condenação por uma acusação criminal.

Além disso, as objeções contra a decisão de uma questão de disciplina fora do país não se aplicam a uma questão de fé; pois a principal testemunha a favor e contra o acusado sob a acusação de heresia é o próprio herege. A questão discutida neste artigo não é se os africanos reconheciam no Papa uma jurisdição ordinária no que diz respeito à disciplina em cada diocese, mas que posição era atribuída à Santa Sé, no que diz respeito às questões de fé e moral.

PELAGIANOS CONFRONTADOS POR AGOSTINHO E JERÔNIMO


Depois do Concílio, Santo Agostinho, como os outros bispos da África, se opôs à doutrina da Celestio em seus sermões;[17] e, mais tarde, no mesmo ano, 412 d.C, ele escreveu o livro De peccatorum meritis et remissione em que, no entanto, ele não menciona pelo nome nem Celéstio nem Pelágio, e, de fato, parece elogiar este último por sua piedade e aprendizagem. Ele acrescentou a isto o livro De Spiritu et littera, e na festa de São João Batista e, novamente, três dias depois, ele pregou em Cartago contra a mesma heresia.[18] Pelágio também escreveu-lhe uma carta com muita cortesia, que ele respondeu por uma pequena nota, dizendo que ele tinha recebido a carta, e pedindo Pelágio para orar por ele para que ele pudesse ser digno de elogios.[19]

É nessa época que São Jerônimo dirigiu a sua conhecida carta à virgem Demestrias, cuja renúncia de grande riqueza e posição por seu véu teve recentemente causado a admiração de toda a cristandade. Nela, ele adverte-a contra certos hereges, que eram, sem dúvida, os pelagianos. Ele diz:

Eu quase tinha deixado de fora o que é mais importante. Quando você era uma criança, e o Bispo Anastácio, de santa memória, governou a Igreja de Roma, uma violenta tempestade de hereges (Origenistas)  do Oriente tentou manchar e destruir a simplicidade da fé que foi elogiada pela voz dos Apóstolos (Rom 1, 8). Mas aquele homem de riquíssima pobreza e da solicitude apostólica (II Cor 11, 28) logo feriu a cabeça nociva e fechou as bocas da hidra sibilante. E porque eu não temo nada, eu ouvi o rumor, que estes brotos venenosos ainda estão vivos e vigorosos em alguns, eu sinto que eu deveria com a afeição profunda dar-lhe este conselho, para manter a fé de Santo Inocêncio, que é o sucessor e filho daquele homem e da Sé Apostólica, e não receber qualquer doutrina estrangeira, mesmo tanto quanto prudente e inteligente você possa pensar ser.” (Carta 130 a Demestria)

Pode parecer provável que Pelágio já havia dirigido a Demetrias a carta citada por Santo Agostinho e Orósio. Santo Agostinho e São Alípio, pelos conselhos de quem ela tinha tomado o véu, escreveu para ela mais tarde (417 ou 418) um antídoto para a epístola do herege.[20] Mais tarde ainda, após a condenação do Pelagianismo pelo Papa Zózimo, outra carta foi endereçada a ela por um autor (pensado por Quesnel ter sido São Leão Magno, na época ainda jovem, por Ballerini e outros São Prospero, mas provavelmente não), que refere-se assim a esta heresia:

Esta impiedade foi rejeitada por os corações de inúmeros santos, e não só por cada bispo estudioso, mas mesmo as bases da Igreja, seguindo o exemplo da Sé Apostólica, abominaram a loucura da nova doutrina.[21]

Nós voltamos a Pelágio, que ao deixar a África em 411 d.C, foi a Palestina, onde ele parece primeiro ter sido amigo de São Jerônimo.[22] Por volta de 414 d.C São Jerônimo escreveu uma carta ao Ctesifonte contra Pelágio, prometendo um tratado mais completo, que ele começou em julho de 415. Por volta de 414 Santo Agostinho escreveu uma carta contra o Pelagianos sicilianos[23], e em 415 o tratado De natura et gratia, dirigida a Timasius e Jacobus, dois jovens de boa família, que ficaram muito perturbados com um livro atribuído a Pelágio. No final do ano, ele escreveu De perfectione Justitiae.

Pelágio julgado em Jerusalém

Por volta do meio deste ano, Paulo Orósio, um padre espanhol, e mais tarde um famoso historiador, que tinha vindo como um discípulo de Santo Agostinho, foi enviado por ele a Belém, para que pudesse sentar-se aos pés de Jerônimo, até então, o mais eloquente e estudioso divino em toda a Igreja. Por volta do dia 29 ou 30 de julho uma discussão foi realizada em Jerusalém, sob a presidência do bispo João. A defesa dirigida posteriormente por Orósio a mesma assembléa dá conta da sua primeira sessão[24]:

Eu estava em retiro, em Belém, depois de ter sido enviado por meu Pai Agostinho para que eu pudesse aprender o temor de Deus sentado aos pés de Jerônimo;. Dali eu vim em sua solicitação para Jerusalém. Sentei-me com você na assembleia sob o comando do Bispo João. Então com um acordo que você exigiu da minha pequenez para relatar com fidelidade e simplicidade tudo o que tinha chegado ao meu conhecimento na África, sobre essa heresia semeada por Pelágio e Celestio. Expus brevemente, o melhor que pude, como Celestio , que foi, então, com a intenção de insinuar-se na ordem do sacerdócio, estava em Cartago, diante de muitos bispos em juízo, expuseram, ouviram, convenceram-se, que ele confessou, foi excomungado, fugiu da África; e como o bem-aventurado Agostinho tinha respondido mais plenamente ao livro de Pelágio, a pedido dos próprios discípulos do herege (viz Timasius e Jacobus.); e que eu tinha em minhas mãos uma carta do referido bispo, que ele havia recentemente enviado para a Sicília, em que ele menciona muitos dos pontos de vista dos hereges. Você me mandou ler a carta, e eu a li.

Sobre isto o bispo João pediu a Pelágio pra se apresentar. Você lhe deu o seu consentimento, tanto para a reverência devida ao bispo, quanto porque a coisa foi em si boa, pois você pensou que ele seria mais corretamente refutado na presença do bispo. Quando Pelágio foi admitido, você perguntou-lhe unanimamente se ele reconheceu que ele havia ensinado as doutrinas que o Bispo Agostinho tinha refutado, ele respondeu imediatamente: “E o que é Agostinho pra mim?” E quando todos gritaram que um homem que blasfemou contra um bispo por cuja boca Deus tinha concedido curar a unidade da África (viz. Pela conversão dos donatistas) deveria ser expulso, não só dessa assembleia, mas de toda a Igreja, o Bispo João então disse-lhe para se sentar, ele um leigo no meio de sacerdotes, que acusado de heresia manifesta-se no meio dos católicos, e então disse: “Eu sou Agostinho” em verdade, que assumindo sua pessoa, ele pode mais facilmente perdoar os erros que ele tomou para si mesmo, e assim acalmar a mente de sua consternada plateia. Depois de fazer Pelágio reconhecer sua doutrina, eu continuei:

‘Isto é o que o Sínodo Africano condenou em Celestio; isto é o que o bispo Agostinho rejeitou em seus escritos como você ouviu; isto é condenado por Pelágio em seus próprios escritos por sua presente resposta; isto é condenado pelo abençoado Jerônimo, cujas palavras são aguardados por todo o Ocidente, como o orvalho no velo...

O bispo então tentou levar Orósio e o resto do conjunto pra serem como acusadores, enquanto ele deveria julgar. Eles se recusaram, com o fundamento de que a questão já foi decidida. E por suas objeções em favor de Pelágio, Orósio respondeu:

Somos filhos da Igreja Católica, não nos peça, nosso Pai, para nos colocarmos como médicos acima dos médicos ou como juízes acima dos juízes. Os Padres que são aprovados pela Igreja universal (ou seja quem ele tinha antes referido.., Cipriano, Hilário, Ambrósio, Aurélio, Agostinho e Jerônimo), a cuja comunhão nos alegramos pertencer, declararam essas doutrinas como danosas: devemos obedecer sua decisão.

O intérprete (pois Orósio falava em latim) continuamente dava uma ideia errada das opiniões dos Orósio. Finalmente Orósio gritou: “O herege é um Latino, somos latinos, a heresia, que é mais conhecida em regiões latinas, deve ser anulada para ser julgada por juízes Latinos”. Eventualmente:

Depois que muitas outras coisas se passaram, o bispo João (de Jerusalém) trouxe a sentença final, confirmando finalmente a nossa demanda e com a intenção de que irmãos e cartas devessem ser enviadas para o bispo Inocêncio, o Papa de Roma, para que todos possam acompanhar o que ele deveria decidir; mas que o herege Pelágio deveria até então ficar em silêncio

e isso tudo consentiu. João de Jerusalém, no entanto, ele mesmo quebrou esse silêncio por censuras violentas dirigidas a Orósio, quando este veio a fazer lhe uma visita cardial no festival dedicação (13 setembro) e por acusações de heresia; a este Orósio respondeu por escrito sua apologia. São Jerônimo quase ao mesmo tempo compôs seus diálogos contra os pelagianos.

PELÁGIO ABSOLVIDO EM DIOSPOLIS


Por volta de 20 de dezembro do mesmo ano, o 415 d.C, um sínodo foi convocado pelo Diospolis (Lida) para considerar as acusações contra Pelágio feitas por Heros e Lázaro, bispos de Arles e Aix, que foram expropriados e viajaram para a  Palestina. Devido à doença de um deles não estavam presente no concílio, nem foi Orósio. Diante de catorze bispos Pelágio explicou ou anatematizou os erros atribuídos a ele, e foi absolvido pelo Concílio. Ele tentou impedir que seus atos se tornassem públicos, mas publicou uma pequena nota, da qual ele enviou uma cópia a Santo Agostinho. Ele também escreveu um livro, De libero arbítrio, contra São Jerônimo, que também foi atacado sobre o mesmo assunto por Teodoro de Mopsuéstia.

No início de 416 d.C Orósio retornou ao Hipona, trazendo com ele as relíquias de Santo Estêvão (cujo corpo havia sido descoberto apenas no momento do concílio de Lida), que fez muitos milagres durante os próximos anos.[25] Ele também trouxe cartas de Heros e Lázaro, que se queixou do dano que Pelágio estava fazendo na Palestina. Estes expuseram a um sínodo provincial da África Proconsularis, que se reuniu por volta de junho em Cartago, e consistiu de sessenta e oito bispos.

SESSENTA E OITO BISPOS NO CONCÍLIO DE CARTAGO AO PAPA INOCÊNCIO


A carta escrita pelo concílio ao Papa Inocêncio I explica a sua ação:

Nós viemos de acordo com o costume da Igreja de Cartago, e um sínodo foi realizado para vários assuntos, quando nosso companheiro de sacerdócio Orósio nos presenteou com cartas de nossos santos irmãos e companheiros os bispos Heros e Lázaro, que nós anexamos. Estas tendo sido lidas, percebemos que Pelágio e Celéstio foram acusados de serem autores de um erro perverso, que deve ser anatematizado por todos nós. Por isso pedimos que tudo que tinha sido feito em relação a Celéstio aqui em Cartago a cerca de cinco anos deve ser desfeito. Isto tendo sido lido, como Vossa Santidade pode perceber a partir dos atos que anexamos, embora a decisão foi clara, por que tão grande ferida foi mostrada ter sido cortada longe da Igreja por um julgamento episcopal, ainda pensávamos bem por deliberação comum, que os autores desta persuasão (embora tenha sido dito que este Celéstio tinha chegado desde então no sacerdócio), a menos que eles abertamente anatematizem a fim de que, se a sua salvação não pode, pelo menos daqueles que podem ter sido ou podem ser enganados por eles possam ser salvos, quando souberem da sentença contra eles. Este ato, nobre irmão, pensamos ser correto dar conhecimento a tua santa caridade, a fim de que os estatutos de nossa pequenez possam ser adicionados a autoridade da Sé Apostólica [ut statutis nostrae mediocritatis etiam apostolicae sedis adhibeatur auctoritas] para a preservação da segurança de muitos, e a correção da perversidade de alguns.

Os Padres então expuseram os erros de Pelágio, e depois de refutá-los por uma série de textos bíblicos, eles continuam:

E nós tememos que repetindo para você as mesmas coisas que você prega com mais graça na Sé apostólica [quae majore gratia de sede apostolica praedicas], parecemos agir inconvenientemente. Mas fazemos isso porque, apenas por conta de nossa maior fraqueza, quanto mais zelo mostramos na pregação da Palavra de Deus, mais constante e forte estão os ataques dos hereges. Parece, portanto, Vossa Santidade que Pelágio foi justamente absolvido pelos atos episcopais que dizem ter sido transacionados no Oriente, em todos os eventos, o próprio erro e impiedade que tem agora muitos adeptos em diversos lugares, deve ser anatematizado pela autoridade da Sé Apostólica também. Que sua Santidade considere e senta com a gente em seu coração pastoral quão banível e destrutivo para as ovelhas de Cristo é aquilo que vem da necessidade de suas discussões sacrílegas.

Depois de mais argumento teológico, os bispos concluem assim:

Portanto, mesmo que Pelágio e Celéstio alteraram as suas formas ou dizem que nunca tiveram tais opiniões, e negam ser seus qualquer dos escritos que são trazidos como prova contra eles, e se não há nenhuma maneira de convencê-los de falsidade - ainda em geral quem que afirme dogmaticamente, etc .... seja anátema. Quaisquer outrass coisas que são objetadas contra eles, não temos dúvida de que sua reverência, após ter tomado conhecimento dos atos episcopais que dizem ter sido elaboradso no oriente sobre a mesma causa, emitirá uma sentença da qual todos nós devemos regozijar-se na misericórdia de Deus [id judicaturum omnes unde em Dei misericordia gaudeamus].[26]

SESSENTA E UM BISPOS NO CONCÍLIO DE MILEVES (NUMÍDIA) AO PAPA INOCÊNCIO I

Ao mesmo tempo, foi realizado um concílio provincial da província de Numídia em Mileves, com a participação de sessenta e um bispos, incluindo Santo Agostinho. Imitando o concílio da África Pro-consular, que também escreveram ao Papa Inocêncio:

Uma vez que Deus por um dom especial de sua graça vos colocou na Sé Apostólica, e deu uma pessoa como você para os nossos tempos, de modo que poderia sim ser imputado a nós como uma falha de negligência se deixássemos de desdobrar a sua reverência o que for sugerido a Igreja, que você fosse capaz de receber o mesmo com desprezo ou negligência, nós vos rogamos a implicar a sua diligência pastoral para o grande perigo que correm os fracos membros de Cristo.

Depois de expor a heresia, os bispos continuaram:

Ao insinuarmos estas coisas ao vosso peito apostólico, não precisamos dizer muito e amontoar palavras acerca desta impiedade, já que sem dúvida vos movereis com tal sabedoria que não podereis vos abster de corrigi-las, para que não possam se infiltrar ainda mais (...) Dizem que os autores desta perniciosa heresia são Pelágio e Celestino que, na verdade, deveriam preferir ser curados com a Igreja ao invés de serem desnecessariamente separados da Igreja. Dizem que um deles, Celestino, inclusive alcançou o sacerdócio na Ásia. Sua Santidade foi melhor informada pelo Concílio de Cartago acerca do que foi feito contra ele há alguns anos. Pelágio - nos informam as cartas de alguns de nossos irmãos - encontra-se em Jerusalém e dizem que vem enganando a muitos ali. Porém, muitos mais, que puderam examinar melhor os seus pontos de vista, o estão combatendo em nome da Fé Católica, em especial vosso santo filho, nosso irmão e companheiro sacerdote, Jerônimo. Contudo, consideramos que com a ajuda da misericórdia de nosso Deus, a quem rezamos para que vos aconselhe e escute vossas preces, aqueles que mantêm estas perversas e banais opiniões cederão mais facilmente diante da autoridade de Sua Santidade, que recebestes a autoridade a partir das Santas Escrituras [auctoritati sanctitatis tuae, de sanctarum scripturarum auctoritate depromptae facilius....esse cessuros], para que possamos nos regozijar com sua correção ao invés de nos entristecermos pela sua destruição. Porém, escolhendo eles mesmos o que quiserem, Vossa Reverência deve considerar ao menos a necessidade de se cuidar destes muitos que podem ser enredados por suas redes, caso não se submetam honradamente. Escrevemos isto a Sua Santidade a partir do Concílio da Numídia, imitando nossos companheiros bispos da Igreja e província de Cartago, que escreveram acerca desta questão à Sé Apostólica que Sua Graça adorna

Estas duas cartas foram levadas para a Itália por Julio, um bispo Africano. O mínimo que podemos reunir a partir delas, assim para o Papa é que ele tem “mais graça[27] do que os dois concílios provinciais, e que, enquanto o julgamento destes é enfrentado pelos hereges, a autoridade da Sé Apostólica, fundada na Escritura[28], vai colocar terror neles, e talvez convertê-los.

Os africanos pedem uma condenação autorizada pelo Papa dessas doutrinas que eles próprios tinham condenado, a fim de que o mal pudesse ser completamente cortado. Elas implicam a visão que veremos mais claramente exemplificada mais adiante, que a decisão deles era estritamente obrigatória apenas na África, enquanto que a de Inocêncio teria uma força Ecumênica ou Universal.

CARTA DE CINCO BISPOS AO PAPA INOCÊNCIO I


Mas podemos aprender mais com uma terceira carta, mais longa e menos formal, que foi feita pelo bispo Julio a Roma, assinada em conjunto por cinco bispos - viz., Aurelius o Primaz, Agostinho, Alípio, Evodius e Possídio, cinco grandes nomes. Eles dizem:

Enviamos a sua Santidade cartas dos dois Concílios das províncias de Cartago e Numídia, assinados por um número não pequeno de bispos, contra os inimigos da graça de Cristo.... Muitos deles se levantam contra nós e dizem a nosso alma, ‘não há salvação para ele em seu Deus.’. Portanto, a família de Cristo, que diz: ‘Quando sou fraco, então é que sou forte’, e a quem o Senhor diz: ‘Eu sou a tua salvação’, com suspense de coração, com temor e tremor, aguarda a ajuda do Senhor também pela caridade de sua reverência. Pois temos ouvido que há muitos na cidade de Roma, onde Pelágio viveu por muitos anos, que lhe favorecem em várias causas, alguns porque é dito que os convenceu de sua doutrina, mas um maior númeroque acreditam que ele não tem essa doutrina, especialmente uma vez que é se gabou de que atos eclesiásticos foram feitos no Oriente, onde ele está vivendo, pelos quais ele é declarado inocente. Se de fato os bispos lá pronunciaram que ele é Católico, devemos acreditar que foi por nenhuma outra razão do que ele dizer que reconheceu a graça de Cristo .... não é uma questão de Pelágio apenas, mas de tantos outros de cuja loquacidade e contenda[...] o mundo está cheio.

Por isso, ou ele deve ser enviado para Roma para sua reverência e cuidadosamente examinado, para saber que graça que ele quer dizer quando ele admite (se ele admite) que os homens são, pela graça, ajudados a evitar o pecado e viver com justiça, ou então isso deve ser transacionado com ele por carta. e quando se provar que ele quer dizer que é a graça que é ensinado pela verdade eclesiástica e apostólica, então, sem qualquer dúvida por parte da Igreja, sem qualquer ambiguidade à espreita, ele deve ser absolvido, e então devemos realmente alegrar-nos em sua absolvição.

[Muito mais à frente, c. 15] Se os seus apoiantes soubessem que o livro que eles pensam ou sabem ser o seu foi anatematizado e condenado por ele mesmo sobre a autoridade dos bispos católicos, e especialmente a de sua Santidade, que não duvidamos que será de maior peso para ele, nós pensamos que eles não se atreveriam mais a perturbar os simples e fiéis corações cristãos [...] pois nós pensamos que seria melhor enviar para a vossa bem-aventurança uma carta escrita por um dos nossos [Santo Agostinho] para Pelágio, que lhe foi enviado por um certo diácono (ordenado no Oriente, mas um cidadão de Hipona) alguma escrita para justificar-se, uma vez que achamos melhor que tu mesmo mandaste para ele, e oramos para que você o faça, pois então ele não vai desdenhar para lê-la, lebando mais em conta quem o enviou do que aquele que a escreveu.

Assim, os cinco bispos dizem exatamente o mesmo que os dois concílios em que tinham participado, que a maior autoridade do Papa, sem dúvida, seria respeitada quando a sua própria poderia ser desprezada.[29] Eles não afirmaram até agora, explicitamente, que seu julgamento é final ou infalível. Mas a última frase da sua carta sugere isto:

Do resto das acusações contra ele, sem dúvida, sua beatitude vai julgar da mesma forma como os atos dos dois Concílios. Sem dúvida, a sua bondade de coração nos perdoe por ter enviado a Vossa Santidade uma carta mais longa do que poderia, talvez, ter desejado. Pois nós não secamos o nosso pequeno riacho com a finalidade de reabastecer sua grande fonte [non enim riuulum nostrum tuo largo fonti augendo refundimos], mas na grande tentação destes tempos (a partir do qual Ele pode nos entregar a quem dizemos: ‘e não nos leve a tentação’) queremos que seja aprovado por você se nossa corrente, embora pequena, flui da mesma cabeça d’água do seu rio abundante, e sermos consolados por sua resposta na participação comum da mesma graça.” (Epistola 177)

Não podemos deixar de comparar as palavras que Santo Agostinho depois envia seus escritos para a Santa Sé non tam discenda quam examinanda, et ubi forsitan aliquid displicueret emendanda[30], que são palavras semelhantes ao protesto insincero de Pelágio: emendari cupimus a te qui Petri et fidem et sedem tenes[31].

Ao mesmo tempo, Agostinho estava escrevendo a certo bispo Hilário, talvez de Narbonne, advertindo-o contra os pelagianos:

Já, como eu estou escrevendo isso, porque temos ouvido que na Igreja de Cartago, um decreto do concílio de bispos foi feito contra eles[32] para ser enviado por carta para o santo e venerável Papa Inocêncio; e nós temos semelhante escrito do Concílio da Numídia à mesma Sé Apostólica.(Epístola 178)

Ele também escreveu a João de Jerusalém, explicando as heresias contidas nos livros atribuídos a Pelágio, na África, e pediu uma cópia correta dos atos de Diospolis, que ele ainda só conhecia da própria conta fraudulenta Pelágio.[33]

AS RESPOSTAS DO PAPA INOCÊNCIO AOS BISPOS AFRICANOS

As respostas do Papa Inocêncio às três cartas endereçadas a ele da África são todas datados de 27 de janeiro de 417 d.C. Para Cartago, ele escreve (e a carta provavelmente emana de um concílio romano, segundo o costume em questões graves):

Ao fazer o questionamento com relação a essas coisas que devem ser tratadas com toda solicitude por bispos e, sobretudo, por um verdadeiro, justo e Católico concílio, preservando, como vocês tem feito, a exemplo da antiga tradição, e por estar consciente da disciplina eclesiástica, você tem realmente fortalecido o vigor da nossa fé, e não menos agora em consultar-nos que antes de dar uma sentença. Pois vocês decidiram que era adequado se referir ao nosso julgamento, sabendo o que é devido à Sé Apostólica, uma vez que todos nós, que estamos neste lugar, desejamos seguir o Apóstolo [Pedro] de quem o próprio episcopado e toda autoridade deste nome é derivada. Seguindo os seus passos, sabemos como condenar o mal e aprovar o bem. Assim também, você tem, pelo seu ofício sacerdotal, preservado os costumes dos pais, e não rejeitaram o que eles decretaram por uma sentença divina e não humana, que tudo o que é feito, mesmo que seja em províncias distantes, não deve ser encerrado sem ser trazido ao conhecimento desta Sé[34], que, por sua autoridade todo justo pronunciamento deve ser reforçado, e que dela todas as outras Igrejas (como águas que fluem de sua fonte natal e fluem através das diferentes regiões do mundo, as correntes puras de uma cabeça incorrupta), devem receber o que intimam, de quem deveis lavar, e daquela água, digna de corpos puros, que evita-se contaminar sujeira que não tem limpeza. Quero parabenizá-los, portanto, queridos irmãos, por vocês dirigirem cartas a nós por nosso irmão e companheiro bispo Julio, e que, ao mesmo tempo cuidando das Igrejas que vocês regem, você também mostram a sua solicitude pelo bem-estar de todos, e que vocês pedem um decreto que beneficie todas as Igrejas do mundo de uma só vez;[35] para que a Igreja que está sendo estabelecida em suas regras e confirmada por este decreto de justo pronunciamento contra esses erros, pode ser incapaz de temer estes homens, etc.” (Epistola 181)

O Papa continua a declarar que os homens que negam a necessidade da graça devem ser cortados da Igreja, para que a ferida purulenta não corrompa o resto do corpo. Eles devem, no entanto, se arrepender, ele conclui, e o poder dos Pontífices irá ajudá-los, até certo ponto, e dará alguns cuidados para estas grandes feridas, como a bondade que a Igreja não está acostumada a negar aos apostatas quando se arrependem. Para Milevis, Papa Inocêncio escreve:

Entre os cuidados da Igreja de Roma e as ocupações da Sé Apostólica em que tratamos com discussão fiél e medicinal[36] as consultas dos procuradores, nosso irmão e companheiro de bispado Júlio me trouxe inesperadamente as cartas de sua caridade que vocês enviaram do concílio de Milevis in seu imenso cuidado pela Fé, adicionando a escrita de uma denúncia smiliar do Concílio de Cartago [...] É, portanto, com o devido cuidado e decoro que você consultar os segredos do Ofício Apostólico [apostolici consulitis honoris [al oneris.] arcana] esse ofício, quero dizer, a quem pertence, além das coisas que estão fora, o cuidado de todas as Igrejas, como para qual opinião você deve manter neste pedido ansioso, seguindo assim a regra antiga, que você sabe que tem sido observada comigo por todo o mundo[37] Mas este assunto eu dispenso, porque eu não acho que ele é desconhecido a sua prudência; no mais, por que vocês confirmaram-na com a sua ação, se vocês não estavam cientes de que as respostas sempre fluem da fonte Apostólica a todas as províncias as quais pedem? Especialmente as vezes que uma questão de fé é discutida, eu acho que todos os nossos irmãos e companheiros bispos devem consultar a ninguém menos do que a Pedro, o autor de seu nome e ofício, assim como agora a sua caridade se referiu a nós uma coisa que podem ser útil em todo o mundo para todas as Igrejas em comunhão. Pois todas tem a necessidade de tornar-se mais cautelosas quando vêem que os inventores do mal, na relação de dois sínodos, foram cortados pela nossa sentença de comunhão eclesiástica. Sua caridade, portanto, faz um bem duplo. Por que você vai obter a graça de ter conservado os cânones, e todo o mundo vai compartilhar o seu benefício.

Mais adiante, ele dá a sua decisão:

 “Nós julgamos pela autoridade do poder apostólico (apostolici uigoris auctoritate) que Pelágio e Celéstio sejam privados da comunhão eclesiástica, até que eles voltem à fé, fora das ciladas do demônio...” (Epístola 182)

Aos cinco bispos o Papa Innocent escreve que “alguns leigos ou outros” tinha dado a ele as atas, pretendendo ser aquelas de um concílio em que Pelágio foi absolvido. O julgamento que ele não pode nem louvar nem culpar, já que ele não sabe se os atos são genuínos; ou se elas são, Pelágio não escapou da condenação por subterfúgio.[38] A quarta carta foi dirigida somente ao Primaz Aurelius.

Vimos o que os bispos africanos perdiram. Vemos agora que Roma deu exatamente a resposta que desejavam. O Papa elogia-os em sua adesão ao antigo costume de remeter a questão para o Bispo de Roma (ele próprio), aprova a sua ação em relação aos hereges e sua heresia, e adere ao pedido que ele excomungasse- os.

 

ANGLICANOS NÃO TÃO BRILHANTES


A doutrina do Papa São Inocêncio quanto aos direitos da Sé Apostólica é mais explícita, mas dificilmente mais ampla do que a das cartas as quais ele responde. Ele não precisaria de um comentário especial se não tivesse levantado a indignação da maioria dos hereges modernos e não-católicos. Dr. Bright assume que os africanos se sentiram como ele se sente, só que eles dissimularam seu desgosto, porque era muito importante para eles para garantir a influência da “ Sé apostólica e petrina” contra o pelagianismo. “Eles não, em tais circunstâncias, se sentiriam obrigados a criticar a sua línguaguem sobre si mesmo, mas ficaram sobre a sua visão católica da questão em causa” (Bright, página 129). Não há absolutamente nenhuma evidência para essa visão do Dr. Bright, enquanto as cartas dos concílios e dos cinco bispos são decisivas contra ele. É inútil protestar contra este método a priori da história escrita. No entanto me emprenhar em completar a prova com o mesmo cuidado como se uma refutação fosse necessária.

Em primeiro lugar, não se deve esquecer que os bispos africanos sabiam perfeitamente o stylus curiae de seu tempo. As epístolas enviadas para Leste e Oeste de Roma sobre os assuntos de alguma província ou diocese particular, eram geralmente publicadas para o mundo em geral. Às vezes, o bispo que eles receberam era esperado para publicá-las; por vezes, a carta foi enviada para outros lugares de Roma, com uma simples mudança na saudação, enquanto o conteúdo era o mesmo do seu destino original.

Os africanos estavam familiarizados com muitas outras cartas de Siríaco, Inocêncio e seus predecessores, a maioria dos quais estão perdidas; mas podemos julgar de suas reivindicações pelas cartas existentes[39], e por aquelas dos Pontífices seguintes, Zósimo, Bonifácio, Celestino, Leão, Hilário, e assim por diante. Quanto aos antecessores de Siríaco, suas cartas são poucos e distantes entre si, mas aquelas que possuímos de Dâmaso não fazem nenhuma reivindicação menor. E quem pode esquecer as duas famosas cartas enviadas para a África, o que despertou a ira de Tertuliano e São Cipriano? Estas epístolas, até onde podemos nos unir, foram justamente no mesmo estilo dessas diante de nós; a primeira foi a partir de um Pontifex maximus e episcopus episcoporum (bispo de bispos)[40]; o último ordenando obediência ao costume antigo, sob pena de excomunhão, pela autoridade da rocha sobre a qual Cristo edificou a sua Igreja (Mt 16, 18).[41]

Os bispos africanos, portanto, sabiam perfeitamente o estilo de resposta que iriam receber, e deveríamos nos surpreender se não recebem as respostas com alegria. Devemos, de fato agora apresentar muitas provas do que eles assim agiram, e até mesmo muitas aprovações diretas das reivindicações do Papa. Eu simplesmente desafio Dr. brilhante ou qualquer outra pessoa encontrar qualquer autoridade antiga para a sua teoria que, na opinião dos africanos a decisão de seus dois Concílios foram um elemento coordenado com as cartas de Inocêncio na condenação da heresia pelagiana. Tal teoria nos obrigaria a ignorar o significado das palavras Relatio, referre, constante e consistente usada na ação desses concílios, que implicam a referência de um assunto a uma autoridade superior, e correspondem com as palavras rescripta, rescribere, aplicada para as cartas do Papa. Seriamos obrigados também a esquecer as palavras dos cinco bispos indicados acima, o que implica a possibilidade (ainda que improvável) da sua decisão ser corrigida pela resposta do Papa. Aqui estão algumas das passagens em que a decisão é atribuída pelos contemporâneos somente ao Papa Inocêncio.

MAIS COMENTÁRIOS CONTEMPORÂNEOS SOBRE A DECISÃO DO PAPA INOCÊNCIO


São Próséro, o devoto admirador de Santo Agostinho, escrevendo 12 anos depois, tem a seguinte referência[42]:

Pestem subeuntem prima recidit Sedes Roma Petri, quae pastoralis honoris Facta caput mundo, quicquid non possidet armis Relligione tent.[43]Non segnior inde Orientis Rectorum cura emicuit...

Primeiro a derrubar o flagelo que se aproximava foi Roma, a Sé de Pedro, que, tendo sido feita capital do ofício Pastoral do mundo, detém pela religião o que quer não se sustenta pelas armas. Em seguida, e não demorando, adiantou-se a guardiã dos líderes do Oriente...

O mesmo escritor tem expressões como:

Naquela época os Pelagianos, que já haviam sido condenados pelo Papa Inocêncio estavam sendo resistidos pelo vigor dos africanos e acima de tudo pelo ensinamento do Bispo Agostinho”;[44]

e

Eles caíram quando Inocêncio, de abençoada memória, atingiu a cabeça do erro mortal com a espada apostólica, [apostolico mucrone percussit], quando o Sínodo dos Bispos palestinos levou Pelágio para condenar a si mesmo e seus seguidores; quando o Papa Zózimo, de abençoada memória, juntou a força de sua pena com os decretos dos Concílios africanos, e armou as destras de todos os bispos com a espada de Pedro a excomunhão dos ímpios. Quando o Papa Bonifácio, de santa memória, se regozijou pela devoção dos piedosíssimos imperadores, e fez uso contra os inimigos da graça de Deus, não só de editos apostólicos, mas também reais; e quando, apesar de mais bem intruído, pediu respostas para os livros dos pelagianos do abençoado Bispo Agostinho.[45]

Aqui está o relato de Marius Mercator:

Celéstio e Pelágio não foram, então, pela primeira vez condenado pelo [Papa] Zózimo de abençoada memória, mas por seu antecessor Inocêncio, de santa memória, por quem Juliano tinha sido ordenado. E Juliano, depois da condenação deles, até a morte de Inocêncio, permaneceu em comunhão e se perseverou na verdadeira fé; e uma vez que ele se comunicava com ele que havia condenado Pelágio e Celéstio, sem dúvida, ele também os condenou; e o que ele quer agora, ou do que ele reclama, eu não sei. Agora a razão para esta condenação por Inocêncio, de abençoada memória, foi a seguinte: Após a devastação de Roma [por Alarico em 410 d.C] Pelágio estava morando na Palestina. Seus livros foram descobertos por certos bispos cuidadosos [viz. Heros e Lázaro], nos quais ele tinha evidentemente escrito muitas coisas contra a fé católica. Esses livros foram enviados, juntamente com cartas, aos Padres e bispos da África, onde os livros foram lidos nos três concílios que foram montados [ou seja, aqueles de Cartago, Mileves, e dos cinco Bispos]. A partir daí, as relações foram enviadas a Roma, juntamente com os livros; a sentença apostólica em resposta aos concílios foi dada, o que privou Pelágio e Celéstio da comunhão eclesiástica, e nós temos em nossas mãos cópias desses escritos.” [ou seja, as cartas do Papa Inocêncio].[46]

Aqui, mais uma vez, toda a frase é atribuída a Inocêncio, e os concílios africanos são meramente representados como referindo a questão a ele. No livro chamado Praedestinatus, escrito cerca de vinte ou trinta anos depois, e atribuído a Arnobius o mais novo, encontramos o seguinte:

O Papa Inocêncio, quando o assunto foi submetido a ele por quase todos os bispos africanos, escreveu a condenação de ambos Pelágio e Celéstio. Estes últimos, no entanto, tanto antes deles serem condenados pela Igreja universal, quanto depois que eles foram condenados, não deixaram de escrever [...][47]

Aqui, novamente, o julgamento de Inocêncio é simplesmente tratado como final; enquanto, aparentemente, é considerado uma condenação pela Igreja universal. A sentença subsequente do Papa Zózimo pode, contudo, ser entendida, que foi assinada por todos os bispos. Mas Genadio, no final do século, o autor depois da Liber Pontificalis, e o Possidio contemporâneo têm expressões semelhantes.[48] Mais uma vez, o concílio de 214 Bispos que se reuniu no início do ano seguinte em Cartago tem: “Nós decidimos que a sentença contra Pelágio e Celéstio promulgada pelo venerável bispo Inocêncio da Sé do Apóstolo Pedro abençoado permanece firme, até que eles confessarem [...][49] mais uma vez, Paulino[50], em sua conta (que será citado mais adiante] do julgamento de Celéstio antes Papa Zózimo, não tem nenhuma menção dos concílios africanos, mas professa abertamente a crença na infalibilidade da Sé Romana.

SANTO AGOSTINHO E O PELAGIANISMO


Para fazer a prova completa, vamos olhar para as próprias declarações de Santo Agostinho sobre o assunto. Nós já vimos ele no Concílio de Milevis e na carta privada de cinco bispos remetendo a questão para o Papa em termos que excluem totalmente a visão do Dr. Bright. Ele também foi o líder principal dos 214 bispos que acabei de citar, e São Próspero Marius Mercator e o milanese Paulino estavam orgulhosos de serem seus discípulos. No entanto, eu adiciono suas palavras expressas:

 “Você acha que talvez eles [Irineu, Cipriano, Reticio, Hilário, Ambrósio] são insignificantes por que todos pertencem à Igreja latina, e eu não menciono qualquer bispo oriental? O que há se eles são gregos e nós latinos? Eu acho que deveria ser o suficiente para você saber a pureza da fé nesta parte do mundo onde o Senhor quis coroar com a coroa do martírio o primeiro dos seus apóstolos. Em tempo você escapou das redes do pelagianismo, nas quais deixou prender a sua juventude, tendo ouvido o bendito Inocêncio, chefe da Igreja ocidental. O que poderia responder este varão santo aos sínodos africanos, senão o que desde antigamente, com perseverança inquebrável, confessa a Sé Apostólica Romana com todas as Igrejas? No entanto, acusam de corrupção de seu sucessor, Zózimo, porque não quis se opor à doutrina de seu antecessor imediato na Sé Apostólica.

Mas agora eu prefiro manter em silêncio sobre este ponto para não irritar sua mente, eu quero curar, não ferir com meus elogios ao que te condenou. Reflita sobre o que você vai responder a Santo Inocêncio, que nesta matéria não tem nenhum outro sentimento do que o daqueles em cuja assembleia te apresentei com vista para o seu interesse. Entre eles se senta Inocêncio, que, embora mais tarde no tempo, assumiu a Presidência. Com eles e com todos os cristãos acredita que as crianças devem ser libertadas pela graça de Cristo, do pecado original herdado de Adão. Ensinam, com efeito, que Cristo, pela água do batismo, exclui o antigo pecado herdado do primeiro homem, que por mau uso do livre-arbítrio foi precipitado no abismo. E também afirmam que as crianças não podem ter vida em si se não comem a carne do Filho do homem.

Responde, portanto, Inocêncio, e melhor, o próprio Senhor, cujas palavras o santo bispo reproduziu e disse: Como pode um filho, imagem de Deus, ser castigado a suplícios tão horrendos como ser privado da vida, se é a criança não contrai no nascimento o pecado original? O que você pode responder ou dizer? Embora se atreva a chamar maniqueísta Inocêncio, você se atreve a chamar também Cristo?”(Contra Juliano I, 4, 13 )[51]

Novamente São Agostinho relata que enquanto Celéstio recusou em Roma a condenar os pontos de vista que Paulino o acusou de manter, que era equivalente a negar a autoridade do Concílio de Cartago em 411, a partir do qual ele havia apelado, mas “ele não se atreveu a resistir às letras do papa abençoado Inocêncio”, (Santo Agostinho -  A Graça de Jesus Cristo e o Pecado Original – Livro II, VII, 8)  o mesmo Inocêncio que condenou Pelágio e Celéstio.[52]

E as palavras do venerável bispo Inocêncio ao Concílio de Cartago[...] O que é mais simples e claro do que esta frase da Sé Apostólica? A isto Celéstio professou a consentir quando .... ele respondeu: ‘ Eu condeno-os de acordo com a sentença do seu santo predecessor Inocêncio’[...] ‘O que daquilo que o mesmo Papa escreveu em resposta aos Bispos da Numídia também não fala claramente de crianças?” (Contra Juliano IV, 6, 7.)

Mais uma vez, ele fala de Celéstio parecendo ser católico: “quando ele respondeu que ele consentiu com as cartas do Papa Inocêncio, de abençoada memória, pelo qual todas as dúvidas sobre este assunto foram removidas.” (Contra Juliano III, 5) Esta última frase sozinha é prova suficiente.

A seguinte passagem é também de notar, escrito no final da vida do santo:

Repita várias vezes as mesmas coisas que já respondi, como o leitor já deve ter visto. Mas já que você insiste e volta a repetir que a liberdade de fazer o bem ou o mal não pode perecer pelo uso indevido, ouça o Beato Papa Inocêncio, bispo da Igreja de Roma, em uma carta escrita - referindo-se a vossa causa – ao concílio dos bispos africanos ‘o homem diz, uma vez dotadao de livre-arbítrio, de forma imprudente utilizado suas vantagens, e uma vez caído no abismo da sua transgressão, e não pode encontrar a forma para se levantar, e teria sido enterrado sob suas ruínas se Cristo não tivesse vindo para o resgate com a sua graça.’ Vê o que pensa a Igreja pela boca de seu ministro?  [Videsne quid sapiat per ministrum suum catholica fides?]” (Contra Juliano Obra Inacabada Livro VI, Capítulo XI)

Outras passagens igualmente fortes serão citadas em breve, enquanto o tratamento de Santo Agostinho, das decisões do sucessor de Inocêncio também irão lançar luzes sobre o assunto mais tarde.

A HISTÓRIA DO PELAGIANISMO CONTINUA


Vamos continuar a história interrompida. Antes de receber respostas do Papa, Santo Agostinho recebeu cópias autênticas dos atos do Sínodo de Diospolis, que o próprio Inocêncio ainda não tinha sido capaz de obter, e que Santo Agostinho tinha suplicado a João de Jerusalém para enviá-lo. Ele encontrou nelas, como ele já tinha adivinhado, que Pelágio só havia sido absolvido, porque ele fingiu aceitar a doutrina católica. Ele então escreveu o livro De Gestis Pelagii no qual ele mostra que, na ausência de seus acusadores, Heros e Lázaro, e na presença de juízes que não sabiam ler o livro em questão, porque não sabiam latim, Pelágio havia evadido a condenação sem dificuldade.

Por volta da mesma época, os seguidores de Pelágio na Palestina tentaram vingança contra seu vigoroso oponente São Jerônimo, invadindo seu mosteiro e de seus discípulos, Eustóquio e Paula, um diácono foi morto e ele próprio São Jerônimo refugiou-se em uma torre.[53] Esta indignação grave, escreve Santo Agostinho, não diz respeito a ele mesmo, mas deve ser punido pelos bispos locais. O Papa, a quem Eustóquio e Paula apareceram, escreveu uma carta severa para repreender João de Jerusalém que não tinha tomado nenhuma medida para proteger os funcionários e virgens de Cristo, e outra carta a São Jerônimo, dizendo que ele tinha se precipitado em aproveitar a autoridade da Sé Apostólica para reprimir toda a maldade, só que o nome do autor do crime não foi divulgado, nem uma acusação formal foi apresentada. João de Jerusalém estava, talvez, já morto, quando a carta de Santo Inocêncio chegou à Palestina. Este grande Papa morreu em 12 de março deste ano, 417.

Não muito tempo após esta data, Santo Agostinho e São Alípio escreveram a São Paulino de Nola, a quem eles sabiam ter sido anteriormente amigo de Pelágio, para adverti-lo contra suas doutrinas, que se diziam estar se espalhando entre os cidadãos de Nola, e do qual o próprio São Paulino parece ter sido apontado como protetor. Deram-lhe uma conta do Sínodo dos Diospolis, e anexaram cópias das cartas dos concílios aficanos para São Inocêncio, e de respostas do Papa. Eles dizem:

Depois das cartas haverem chegado até nós do Oriente, discutindo o caso da maneira mais clara, fomos obrigados a não falhar em ajudar a necessidade da Igreja com tal autoridade episcopal que possuímos [nullo modo jam qualicumque episcopali auctoritate deesse Ecclesiae debueramus]. Em consequência, as relações quanto a esta matéria foram enviadas de dois Concílios à Sé Apostólica, antes dos atos eclesiásticos pelo qual Pelágio é dito ter sido absolvido haverem chegado em nossas mãos ou em toda a África. Nós também escrevemos ao Papa Inocêncio, de abençoada memória uma carta particular, além das relações dos concílios, em que descrevemos o caso de forma mais pormenorizada, A TODAS ELAS, ELE RESPONDEU NA FORMA QUE ERA O DIREITO E DEVER DO BISPO DA SÉ APOSTÓLICA [Ad omnia nobis ille rescripsit eo modo quo fas erat atque oportebat Apostolicae sedis Antistitem] tudo o que você pode agora ler, se por acaso nenhuma delas ou não todas elas, você ainda não recebeu; nelas você vai ver que, enquanto ele tem preservou a moderação que estava certa, de modo que o herege não devem ser condenado se ele condena os seus erros, ainda o novo e pernicioso erro é tão reprimido pela autoridade eclesiástica que desejamos muito que não houvesse permanecido nenhum vestígio que, por qualquer erro que seja, tente lutar contra a graça de Deus...(Epistola 186, I. 2, 3)

Aqui dois santos escrevendo para outro santo explicam o método Africano de usar a autoridade episcopal para o bem da Igreja. Ela consiste no envio de uma avaliação de autoridade da heresia feroz em sua província para a Sé Apostólica, em Roma, para que o Papa possa ratificar a sua ação e publicar um anátema para toda a Igreja. Suas “palavras arrogantes” e “história apócrifa” são descritas como o que era adequado e apropriado do sucessor de São Pedro[54].

ROMA FALOU, A CAUSA ESTÁ ENCERRADA[55]


Foi no domingo, 23 de setembro, 417, que Santo Agostinho, estando em Cartago, pregava “na mesa de Cipriano” aquele famoso sermão contra o pelagianismo, que conclui com estas palavras:

Meus irmãos, sejam de uma mente comigo. Onde quer que você encontre tais homens não escondam-os, não tenham piedade perversa. Refutem os que contradizem, e tragam para nós os que resistem. Pois dois concílios já foram enviados à Sé Apostólica [de Roma] quanto a este assunto, e rescridos vieram de lá, o caso está encerrado; que o erro logo cesse também [causa finita est, utinam aliquando finiatur error]” (Sermão 131, 10)[56]

É verdade, a questão do dogma foi decidido para sempre, mas ainda o caso ainda não foi concluído. Enquanto Agostinho falou, algumas cartas estavam a caminho do novo Papa (Zosimus), declarando que Celestio e Pelágio foram vítimas inocentes de calúnia maliciosa, e nunca tinha ensinado os erros que lhes forem atribuídos; enquanto eles humildemente foram submetidos a julgamentos passados e futuros da Santa Sé.

NOTAS


[1] Pg. 67, Engl. Tr. nota. “Janus” é J. H. Ignaz von Dollinger.

[2] Eirenicon, p. 66.

[3] As páginas indicadas são as de Migne. Depois de tudo o que eu reconheço minha dívida para com o inestimável prefácio beneditino para o vol X que eu tenho usado continuamente. As dissertações do Ballerini têm, naturalmente, sido um acompanhamento necessário, com Pagi, Tillemont, Hefele, Jungmann, etc.

[4] De Praesc 36; cf. Adu Marc iv, 5.

[5] Referindo-se a Rom 1, 8, um texto constantemente citados pelos Padres, orientais e ocidentais, desta forma; cf. Revue Benedictine of Maredsous, Dec 1895, 547-557.

[6] Epistola 59. Ed Hartel, 683, cf. Epistola 60, p. 692.

[7] Epistola 55 “o trono ou cadeira de Pedro, a Igreja principal a partir do qual a unidade do sacerdócio teve a sua origem”

[8]nesta cadeira a unidade deve ser preservada por todos” São Optato II, 2. Ed Vindob (tentativa do Dr. Bright para explicar esta passagem bem conhecida não precisamos nos deter aqui) e Terc de Praesc loc cit; cf. Cipriano Ep 59, cit loc. cf. Roma Sotteranea, vol i, ii app, nota A.2, p. 488.

[9] Opt, loc cit. “que é a Rocha que as portas do inferno não podem conquistar

[10]  Epistola 43,3,7onde o primado da cátedra Apostólica sempre floresceu”

[11] C. ep. Man. 4,5.

[12] Aug, De gestis Pel xxii, 46.

[13] O beneditinos e Quesnel dão 412 como a data do concílio que condenou Celéstio, uma vez que o Concílio de Cartago em 417 chama-lhe cerca de cinco anos atrás. Ballerini demonstraram (Adv S Leon, iii, p. 845. PL 56, p. 1008) que 411 é mais provável.

[14] Santo Agostinho não estava presente De gestis Pel xi, 23.

[15] Comm secundum 2 em app vol X. S Aug p. 1687, e PL XLVIII.

[16] Ibid, p. 1725, no Libellus, enviado por Paulino ao Papa Zózimo em Nov. de 417 d.C.

[17] Sermão 170, 174, 5, 6.

[18] Sermão 293, 4.

[19] Epistola 146, cf. De gestis Pel 26,51, p. 349.

[20] Epistola 188.

[21] PL Vol. LV, p. 269 (170), Cap. 10.

[22] Veterem necessitudinem, Agostinho vol X, app 52, de jerônimo Comentário sobre Jeremias  Livro IV, vol IV, p. 967. PL XXV, p. 825. Mas Vallarsi observa que o bispo de Jerusalém podem ser pretendido.

[23] Epistola 156, 7.

[24] In Aug Vol X, App ii.

[25] Cidade de Deus, XXII, 8. Sermão 319-324 ff.

[26] Epistola 175, inter Aug. (vol II, p. 758 seq). Uma melhor texto, é dado por Ballerini, deste e das cinco cartas seguintes. Eles também podem ser encontrados em Mansi e Constante (PL vol XX).

[27] Para o senso de Majore gratia  compare a conhecida comparação de Santo Agostinho de São Pedro com São Cipriano (em latim) "Si distat gratia cathedrarum una est tamen Martyrii gloria." Sobre Batismo contra os Donastidas II, 1, vol ix, p. 127.

[28] Seria necessário mais preconceito nos leitores do Dr. brilhantes do que ele tem o direito de presumir, para eles acreditarem que de s. scripturarum auctoritate depromptae significa apenas que Inocêncio iria descansar sua decisão sobre citações bíblicas... Se os pelagianos eram tão protestantes que renderiam a nada mais que “textos” por que eles se “renderiam mais facilmente” com a Bíblia de Inocêncio aberta do que a dos africanos? Até agora, é claro que o Dr. Bright torna sem sentido a passagem... o primado de Pedro, que Santo Agostinho encontra na Escritura é a continuação da Bispos de Roma (Tratado 56 sobre João Vol III, p 788;. Sobre O Batismo contra Donatistas ubi supra II, 1, vol ix, p. 127, e Ep 43,3,7, vol II, p. 163.)

 

[29]  As atenções e opinião de um dos cinco bispos - Possídio - são testemunhadas em sua vida de Santo Agostinho, cap XVIII.

[30] C. 2, Epp Pell i, 1. vol x, p. 551.

[31] Libellus in App vol x, p. 1718.

[32] Estas palavras suficientemente descartam a suposição de Garnier, Tillemont e outros que Santo Agostinho compôs o decreto e carta do Concílio de Cartago.

[34] Longa nota Dr. brilhante cita como “palavras arrogantes” e “história apócrifa” omitida. O que Inocêncio, Zósimo, Bonifácio, Celestino, e seus sucessores ao longo deste século todos repetiram e poram em prática no Oriente e no Ocidente não foi, pelo menos, visto pela história como apócrifas em seu tempo, pois elas eram desobedecidas com freqüência, mas elas nunca foram contestadas. Dr. Bright tem a liberdade de não acreditar nelas. Ele não tem a liberdade de sugerir que a Igreja do século V descreu-as.

[35] Esta é exatamente a expressão as qual os africanos queriam. A decisão deles foi por apenas Africa, e pode ser objecto de recurso. A do Papa foi para toda a Igreja, e final.

[36] Medica, Ball; modica, Bened; non modica, conj Garnier.

[37] Entre tais de cartas de Santo Inocêncio que continuam até nos,  encontramos respostas ou instruções enviadas para a África, Jerusalém, Constantinopla, Moesia, Tessália, Rouen, Toulouse, Toledo, etc. Traços de outras podem ser encontradas em Jaffe. O valor real da correspondência dos Papas neste momento deve ter sido muito grande. Cf. Jerônimo, Ep 123, 10, Vol I, p. 907. PL XXII, 1052.

[38] Epistola 183

[39] Possuímos seis cartas de Siricio, três de seu sucessor Anastácio, duas em Coustant, outra publicada por Pitra (Analecta Nouissima) como de Anastácio II, e trinta e quatro de Inocêncio.

[40] De puducitia, c. I.

[41] São Cipriano (Firmiliano) Epistola 75.

[42] De ingratis i, 39.

[43] O mesmo epigrama que Roma governa por sua fé uma vez que ela governada por braços, ocorre no livro contemporâneo De uocatione gentium, II, 16. PL 51, p. 905 (704), nota técnica omitida.

[44] Chron in ann 416 (i.e. 417).

[45] C. Collat c. XXI (al XLI) PL 51, p. 362 (271) e em App S. Agostinho vol x, p. 1831.

[46] Original Latin: Exinde relationibus Romam missis, ipsis quoque libris pariter, destinatis, apostolica sententia rescribentis ad praedicta concilia emanauit, etc. (Commonitorium C. Pel 10, 11, in App S. Aug vol x, p. 1689, PL xlviii, p. 70).

[47] Original Latin: Tunc ad relationen pene omnium Africorum episcoporum Papa Innocentius damnationem et Pelagio et Coelestio conscripsit. (Praedest haer 88. PL 53 and App vol x, Aug, p. 1682).

[48] Original Latin: Innocentius...scripsit decretum, occidentalium et orientalium ecclesiis aduersus Pelagianos datum. Post quem successor ejus papa Zosimus latius promulgauit (Gennad De uiris illustr c. 43). Hic constitutum fecit de omni ecclesia (Lib Pontif) e Possid, C. 18.

[49] Prosper c. Collat c. v. 15. PL 51, p. 319 (227), ou em App Santo Agostinho vol x, p. 1808.

[50] Ibid. App p. 1724.

[51] Juliano tinha chamado a doutrina de Santo Agostinho maniqueísta. O santo mostra que, nesse caso, os doutores acima mencionados e o Papa Inocêncio, ou melhor, o próprio Cristo, foram maniqueístas.

[52] Contra Juliano II, 10

[53] De gestis Pel c. XXXV

[54] Mais adiante (VIII. 29), na mesma carta encontramos novamente a menção de submissão à Sé Apostólica - original em latim: Si autem cedunt sedi Apostolicae (Nolani) uel potius ipsi Magistro et Domino Apostolorum qui dicit.

[55] Sobre a controvérsia da frase, ler aqui: <http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/patristica/controversias/562-roma-locuta-est-causa-finita-est-santo-agostinho-nao-disse-isto>

[56] As Palavras de Santo Agostinho são a origem do ditado comum: Roma locuta est, causa finita est traduzido Roma falou; o caso está encerrado (ou a causa foi concluída, a disputa acabou).

PARA CITAR


CHAPMAN, Dom John. Papa Inocêncio e a Condenação do Pelagianismo. Estudos sobre o papado Primitivo. Disponível em: <http://apologistascatolicos.com/index.php/patristica/estudos-patristicos/765-papa-inocencio-e-a-condenacao-de-pelagianismo>. Desde:01/02/2015 Traduzido por: Rafael Rodrigues.
BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS