O antropocentrismo na Gaudium et Spes? - Padre João Cavalcoli escreve a Piero Vassallo

Gaudium Et Spes
Typography

Para ler o artigo de Piero Vassallo “Gaudium et spes. Una cristologia antropocentrica ?” clique aqui

 

Caro Professor Vassallo,

as proposições da Gaudium et Spes que você menciona em um artigo recente neste site retirados do artigo Prof. Pasqualucci certamente não brilham pela real clareza e podem ser entendidas em um sentido antropocêntrico e pode se entender que aqueles que os proporam foram influenciados ou por Teilhard de Chardin ou De Lubac ou Rahner.

No entanto, não podemos pensar como católicos que o concílio erre em uma questão tão importante como a da antropologia cristã, o que compromete a infalibilidade do Magistério de um Concílio Ecumênico. Portanto, é necessário que nós nos esforcemos para dar uma interpretação benévola dos textos, sabendo desde o início que eles não podem ensinar erro ou desviar-se da verdade tradicional.

Vejamos brevemente os passos. "Cristo  encarnando-se de uma certa forma uniu-se a cada homem." Deve ficar claro que esta afirmação não deve ser entendida no sentido de uma união hipostática impensável da pessoa divina com qualquer natureza humana, mas pode ser entendida no sentido de uma oferta de amor que Cristo dá a cada um para se juntar a ele, como vida de sua vida.

Que "se juntou" não deve ser entendida como uma questão de fato, porque não corresponde à verdade sempre proclamada pela Igreja que de fato nem todos os homens estão unidos a Cristo ou estão em graça, mas que a graça pode estar ausente - caso contrário O pecado não existe - e até mesmo alguns homens são passíveis de punição do inferno.

Em relação ao fato de que o homem é no mundo "a única criatura que Deus quis por si mesma", não devemos necessariamente pensar do homem absolutização que substitui o absoluto de Deus ou a ser identificado com ele. A vontade de uma coisa em si não necessariamente o quer como o objetivo final, mas pode ser uma expressão enfática da alta dignidade da coisa querida ou desejada.

Porque o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, é claro permanece infinitamente inferior a Deus; e ainda tem algo que o torna um bonum honestum altamente nobre, que é precisamente o que é bom em si mesmo; Isso não significa que, por sua vez, não possa e deva ser ordenado a um bem ulterior, absoluto de todos os pontos de vista, que é Deus.

Nós não falamos talvez de "valores absolutos" quando falamos de princípios e leis morais? Não vai ser de certa maneira "absoluta" a pessoa humana que os encarna? Nós não falamos de "sacralidade" da vida humana? E o sagrado não é talvez relacionado com o divino? É óbvio que não se pode abolir a distância entre o Criador e a criatura. Mas talvez possamos suspeitar que o concílio quis fazer uma coisa dessas?

Quanto ao fato de que em Cristo a natureza humana é "elevada a uma dignidade sublime", não devemos necessariamente pensar em algo que vai além do que a Igreja sempre ensinou, que é a doutrina fundamental da filiação divina e a vida da graça, que, assim como nós também expressam os Padres gregos, é um certo "endeusamento" do homem, que, naturalmente, não é para ser entendida num sentido panteísta, mas, como alegado por São Pedro em sua segunda carta, os seres humanos envolvem uma "participação  na natureza divina "(consortes divinae naturae).

Como Teilhard de Chardin ou De Lubac, eu diria  que o que o Sr. propôs não tem nada a ver, especialmente o primeiro, mesmo que o segundo, com a sua distinção pouco clara entre o natural e o sobrenatural (justamente criticado por card. Siri), parece muito ou aumentar a humanidade ou diminuir o sobrenatural.

Mais grave é a situação em vez de Teilhard, com sua teoria da matéria que "excede" o espírito tornar-se, a falsa concepção de criação e a negação do pecado original. Aqui temos o verdadeira antropocentrismo nefasto, que, no entanto, seria injusto culpar o concílio e, mais uma vez, especialmente nós católicos, não podemos pensar em uma coisa, porque até mesmo a doutrina do homem é uma questão de fé, onde um Concílio da Igreja não pode errar.

Com tudo isso eu concordo com você e com Mons. Gherardini seria bom que o Papa definitivamente esclarecesse os passos do Concílio, o que poderia prestar-se a interpretações  heterodoxo-modernistas e que por muito tempo são apenas exploradas impunemente pelos hereges para endossar suas heresias.

 

P. João Cavalcoli, OP

 

FONTE


ANTROPOCENTRISMO NELLA GAUDIUM ET SPES? – Padre Giovanni Cavalcoli scrive a Piero Vassallo - Disponível em: http://www.riscossacristiana.it/antropocentrismo-nella-gaudium-et-spes-padre-giovanni-cavalcoli-scrive-a-piero-vassallo/

 

PARA CITAR 


CAVALCOLI, João. O antropocentrismo na Gaudium et Spes? - Padre João Cavalcoli escreve a Piero Vassallo - Disponível em: <http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/concilio-vaticano-ii/diversos/728-entrevista-exclusiva-com-mons-athanasius-schneider-bispo-auxiliar-de-astana-cazaquistao>. Desde: 05/10/2014. Tradução: Jefferson Ferreira

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS